China

Jack Ma anuncia que vai deixar presidência do grupo Alibaba

Jack Ma, fundador do gigante chinês do comércio eletrónico, anunciou que vai deixar a presidência do grupo, daqui a um ano, para permitir sucessão a pessoas "mais jovens" e "mais talentosas".

AHMAD YUSNI/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Jack Ma, fundador do gigante chinês do comércio eletrónico Alibaba, anunciou hoje que vai deixar a presidência do grupo, daqui a um ano, para permitir que pessoas “mais jovens” e “mais talentosas” assumam a liderança.

Nenhuma empresa pode confiar apenas nos seus fundadores (…) devido a limites na capacidade física e energia de cada um”, afirmou, numa carta, Jack Ma. “Ninguém pode assumir as responsabilidades de presidente e CEO para sempre”, acrescentou.

Ma vai completar o mandato atual, como membro do conselho de administração do grupo, até à reunião anual dos acionistas, em 2020. A partir daí, a empresa passará a estar a cargo do atual diretor executivo, Daniel Zhang.

O Alibaba opera os sites de comércio eletrónico Taobao e Tmall, que dominam grande parte das vendas ‘online’ na China. Em 2014, o grupo protagonizou a maior entrada em bolsa a nível mundial, com uma oferta pública inicial, que angariou 22 mil milhões dólares (cerca de 16,9 mil milhões de euros).

O Alibaba passou a estar cotado em Nova Iorque, mas a sede mantém-se na cidade de Hangzhou, no leste da China. Jack Ma é o segundo homem mais rico da China.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Moçambique

A extradição de Chang e o futuro da Frelimo

Manuel Matola

Apesar da complexidade do caso e da gravidade das acusações contra Manuel Chang, uma eventual extradição para Moçambique garantiria de que o processo-crime que corre em Maputo teria uma morte natural.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)