Sara Carbonero

A carta de Sara Carbonero para Lucas, o segundo filho: “Os segundos são de outra massa”

246

Sara Carbonero escreveu uma carta para o filho mais novo, Lucas, onde descreve os desafios e as regalias de ser o segundo filho. "Se não existissem tinham de ser inventados", garante.

Sara Carbonero e Iker Casillas são pais de Martín e Lucas, de quatro e dois anos

Getty Images

Sara Carbonero e Iker Casillas foram pais pela primeira vez em janeiro de 2014, quando nasceu Martín. Dois anos depois, nasceu Lucas, o segundo filho da jornalista e do jogador do FC Porto. Esta terça-feira, Carbonero decidiu publicar uma fotografia com o filho mais novo – como faz habitualmente – mas, desta vez, dedicou-lhe uma espécie de carta que motivou muitos elogios. A jornalista espanhola escreveu sobre os segundos filhos, que são “pacientes, conformistas e conciliadores mas também fontes inesgotáveis de energia, uns autênticos terramotos que crescem a aprender o bom e o menos bom com os pequenos maestros que têm em casa”.

View this post on Instagram

Los segundos . Los segundos son de otra pasta, los segundos tienen el cielo ganado, los segundos son más independientes, espabilados y autosuficientes. Son unos supervivientes…Estamos hartos de escuchar y repetir estas frases . En esto de la maternidad, como en todo, no se debe generalizar pero es verdad que los segundos desde que nacen tienen que ingeniárselas para hacerse su sitio y lograr sin ellos apenas sospecharlo que sus hermanos mayores no les vean como el enemigo. No son los protagonistas de muchas primeras veces de sus papás ni de los temas de conversación en la mesa, se acostumbran a que en el álbum de fotos haya una suya por cada diez del primogénito, aprenden a compartir desde el minuto 1, heredan con alegría ropa y juguetes y se debaten entre imitar y repetir todo lo que hacen los héroes de sus hermanos y forjarse su propia personalidad. Son pacientes, conformistas y conciliadores, pero también fuentes inagotables de energía, unos auténticos terremotos que crecen aprendiendo lo bueno y lo menos bueno de los pequeños maestros que tienen en casa. Claro que ellos también vienen para enseñarnos, por ejemplo que si los papás pensamos que lo sabemos todo de ellos porque son los segundos estamos muy equivocados. O que el amor no solo no se divide sino que se multiplica por infinito. Que lo que nos “funciona” con un niño no tiene por qué hacerlo con otro. Que los retos, emociones y miedos seguirán siendo los mismos y que por mucho que tratemos de no repetir los errores cometidos, caeremos en otros diferentes. Que esa rebeldía que les caracteriza no es otra cosa que su manera de marcar terreno para ir haciendo su camino desde chiquititos. Que no hay momento de mayor seguridad para una madre o padre que cuando le ponen por primera vez a su segundo hijo en brazos . Si los segundos no existieran, habría que inventarlos . #TB #reflexionesdelunesdevueltaalcole #nuestrapequeñagranrevolución #lossegundos #buenasnoches # #Porto #slowlife

A post shared by Sara Carbonero (@saracarbonero) on

A mulher do guarda-redes do FC Porto descreveu em poucos parágrafos o que é ser o segundo filho – e, mais importante ainda, o que é ser mãe de mais do que uma criança – e explicou que “os segundos filhos são de outra massa, os segundos têm o céu ganho, os segundos são mais independentes, expeditos e autosuficientes”.

Não são os protagonistas de muitas das primeiras vezes dos pais nem dos temas de conversa à mesa, habituam-se a que no álbum de fotografias haja uma sua por cada dez do primogénito, aprendem a partilhar desde o primeiro minuto, herdam com alegria roupa e brinquedos e debatem-se entre imitar e repetir tudo o que os irmãos fazem e forjar a sua própria personalidade”, explicou Sara Carbonero.

A jornalista de 34 anos, que tem uma irmã quatro anos mais nova, acrescentou que os segundos filhos são também aqueles que mais ensinam aos pais. “Nós pais pensamos que sabemos tudo sobre eles porque são os segundos mas estamos muito enganados.Ensinam-nos que o amor não só não se divide como se multiplica por infinito. Ensinam-nos que o que funciona com uma criança não tem de funcionar com outra. Que os desafios, emoções e medos vão continuar a ser os mesmos e que por muito que tentemos não repetir os erros cometidos, cairemos noutros diferentes”, confessou.

“Não há momento de maior segurança para uma mãe ou um pai do que o momento em que põem pela primeira vez um segundo filho nos braços. Se os segundos não existissem, teriam de ser inventados”, terminou Sara Carbonero.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Crónica

Questões afetivas, sexuais e outras /premium

Laurinda Alves

Ler o que escreve Halík dá que pensar e ajuda a pôr muita coisa em perspetiva. Amanhã estará em Lisboa e vai, também ele, encher auditórios e anfiteatros. Vem para colocar o dedo em muitas feridas.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)