Rádio Observador

BESA

Álvaro Sobrinho diz que BESA faliu por decisão política e não por insolvência

108

O ex-presidente da Comissão Executiva do Banco Espírito Santo Angola considera que "o banco faliu por decisão política, tendo em conta as pessoas nele envolvidas"

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ex-presidente da Comissão Executiva do Banco Espírito Santo Angola (BESA), o atual empresário Álvaro Sobrinho, revelou na terça-feira à noite que a instituição faliu por decisão política e não por insolvência.

“O banco faliu por decisão política, tendo em conta as pessoas nele envolvidas. Por isso, digo que era uma decisão política”, justificou o empresário e matemático de formação, no programa “Grande Entrevista” da Televisão Pública de Angola (TPA).

Álvaro Sobrinho questionou se o BESA faliu mesmo, porque, no seu entender, do ponto de vista formal, o banco existe com outra denominação (Banco Económico) e, do ponto de vista prático, não houve nenhum organismo internacional, independente, estatal e nem auditor que declarasse a falência da instituição. “O BESA foi alvo de uma auditoria, em 2011, que não viu falência”, referiu o empresário, salientando que a narrativa da insolvência nasceu dos acionistas e que a situação de bancarrota não foi declarada pelo Banco Nacional de Angola (BNA), auditores da KPMG, conselho fiscal ou outros reguladores internacionais.

Segundo Álvaro Sobrinho, em 2011/2012, os relatórios elaborados pela KPMG, para efeito de contas internacionais standard, não apresentaram reservas. Em relação às contas do banco, referiu que, desde o início da atividade, a 24 de janeiro de 2002, sempre apresentou resultados líquidos positivos até à sua saída em 2012.

Em 2010, sustentou, o BESA foi o banco que ultrapassou pela primeira vez a fasquia dos 400 milhões de dólares (341,8 milhões de euros) de resultados líquidos positivos e que, quando foi afastado, era o banco com maior ativo do mercado, com mais de 10 milhões de dólares (8,5 milhões de euros) de ativos de fundo.

Nesse período, disse o ex-presidente do BESA, ainda concederam empréstimos no valor de 5.700 milhões de dólares (4.880 milhões de euros), tendo-se elaborado uma lista de 30 figuras consideradas maiores devedores, representando um total de 80% da carteira de créditos. Esses devedores eram mandados ao banco pelas autoridades aos principais acionistas.

A firma Geni, representada pelo general Leopoldino do Nascimento, Manuel Vicente, em representação do ex-Presidente da República José Eduardo dos Santos, o ex-ministro de Estado e chefe da Casa Militar Helder Vieira Dias “Kopelipa” (pela companhia Portmill), o ex-presidente da Assembleia Nacional Paulo Cassoma (Presidente de Mesa da Assembleia) e Ricardo Salgado, pelo Banco Espírito Santo (Portugal) eram os principais acionistas, segundo o bancário.

Na entrevista, referiu que, depois do seu afastamento do banco, em 2012, por negar assumir a culpa da situação de falência a si imputada pelos acionistas, a 31 de dezembro de 2013, o Estado angolano concedeu uma garantia soberana de 7.000 milhões de dólares (quase 6.000 milhões de euros), sendo uma decisão política, sob a justificação de que serviria para impulsionar a economia nacional, onde a Sonangol apareceu como a principal acionista.

Álvaro Sobrinho negou também que tenha “desviado” do BESA 700 milhões de dólares (cerca de 600 milhões de euros). Disse também que a atual relação com Ricardo Salgado é “má” – “foram muitos os insultos que me dirigiu” – e que com os restantes colegas da administração de então não tem qualquer ligação – “nem boa nem má”.

A falência do BESA foi oficialmente declarada a 14 de outubro de 2014. Na altura tinha 34 agências. No dia 3 deste mês, também em declarações a TPA, Álvaro Sobrinho denunciou estar a ser perseguido em países onde “quer que invista”, embora não tenha apontado nomes.

Em agosto, o agora empresário foi interrogado nas Ilhas Maurícias por uma comissão independente anticorrupção sobre os seus investimentos naquele país e relações com o poder político, que terão levado à renúncia da então Presidente Ameenah Gurib-Fakim, em março.

Nas declarações de ontem à TPA, Álvaro Sobrinho, voltou a garantir que vai desinvestir nas Ilhas Maurícias e investir em Angola, país onde garante ter negócios relevantes e que oferece grandes oportunidades de investimento.

Por outro lado, descartou qualquer envolvimento na utilização, pela Presidente Ameenah Gurib-Fakim, do cartão de crédito platina, da Fundação Bill & Melinda Gates, para uso pessoal, e que levou à renúncia da Chefe de Estado das Maurícias.

Segundo Álvaro Sobrinho, quando foi detetada a utilização do cartão de crédito para “coisas próprias”, Ameenah Gurib-Fakim pediu desculpas e reembolsou o dinheiro à Fundação. “Não foi o Álvaro Sobrinho que deu o cartão, foi uma Fundação que tem o prestígio de Bill & Melinda Gates”, explicou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)