Pedro Sánchez

Suspeitas de plágio em tese académica ensombram governo de Sanchéz

256

Imprensa espanhola acedeu à tese de Pedro Sanchéz e alguns insistem que houve plágio no seu trabalho académico. Socialista nega, ameaça com processos e vai tornar a tese pública esta sexta-feira.

Pablo Blazquez Dominguez/Getty Images

Pedro Sánchez “copiou outros autores”, “usou informações do governo de Zapatero” e “repetiu artigos seus já publicados” no seu próprio trabalho final de doutoramento. Para o espanhol ABC, que acedeu à polémica tese académica do primeiro-ministro espanhol, não há dúvidas: Sánchez cometeu vários plágios na tese que defendeu em 2012 na Universidade Camilo José Cela, onde se doutorou com o título cum laude e na qual foi professor.

O documento “Inovações da diplomacia económica espanhola; análise do setor público (2000-2012)” — numa tradução livre do título original em espanhol — existe apenas na versão impressa. Por indicação do próprio Pedro Sánchez, o acesso ao documento original tem estado bloqueado ou fortemente limitado, o que tem contribuído para adensar a dúvida sobre a credibilidade do trabalho. A pressão mediática, contudo, levou o primeiro-ministro espanhol a anunciar esta quinta-feira, dia 13, que vai tornar pública e totalmente acessível a sua tese de doutoramento de 2012.

São cerca de 300 páginas encadernadas a capa dura, com letras brilhantes inscritas na capa negra, e até agora apenas possível de consultar, sem possibilidade de cópia, nas próprias instalações da universidade. Pedro Sánchez nunca permitiu, até ao anúncio de hoje, a criação de cópia digital do documento para consulta online e mesmo o acesso ao trabalho tem sido restrito por indicação do próprio autor. O ABC, contudo, alega estar na posse de uma cópia e é com base nesse documento que sustenta haver plágio do “doutor Sánchez”.

A dúvida — que o líder dos socialistas e do governo espanhol continua a contestar, agravada com ameaças de processos judiciais contra quem insistir ou não corrigir as acusações — está a alimentar a imprensa espanhola e a inflamar a opinião pública, mesmo depois de a própria universidade ter iniciado um processo de investigação e concluído que apenas 15% dos conteúdos da tese coincidem com textos de outros autores. Descartou por isso, “para já”, qualquer acusação de plágio.

Alguns analistas políticos, contudo, defendem que as suspeitas, agravadas pelos recentes casos de fraude ou plágio em trabalhos académicos de alguns políticos espanhóis (incluindo o que levou à demissão da ministra da Saúde Carmen Montón esta semana) estão a minar a credibilidade do governo. Há quem vá ainda mais longe e adiante que há risco de eleições antecipadas se as suspeitas não desaparecerem. Uma teoria que outras polémicas, como as dúvidas à volta da tese de Pablo Casado, recente líder do PP, ajudam a ganhar força. No caso do sucessor de Rajoy no PP, o Supremo Tribunal terá de decidir nas próximas semanas de avança com processo formal ou não.

O primeiro-ministro espanhol reagiu às acusações, através da sua conta no Twitter, e negou ter plagiado a sua tese de doutoramento, afirmando que as informações divulgadas por vários órgãos de comunicação social são “redondamente falsas. Pedro Sánchez acrescentou que, “a menos que haja retificação da informação publicada”, avançará com ações legais em defesa da sua honra e dignidade.

Publicações como o ABC ou o El Español enumeram várias partes da tese que consideram ter sido copiadas ou retiradas de outros textos académicos. Também o El Mundo lista os vários trechos do documento, tendo ainda pedido avaliações externas do documento. Uma dessas opiniões, assinada por Manuel Conthe, antigo secretário de Estado da Economia, é arrasadora para as teorias do então professor da Universidade Camilo José Cela e atual governante.  “Compreende-se por que razão Sánchez quis manter a sua tese em segredo: não é apenas pela mediocridade intelectual que as suas conclusões resumem, mas também pelo tom acrítico e elogioso do que se fez em Espanha no período 2000-2012, sem qualquer reflexão crítica relacionada com as ideias do PSOE do qual é secretário-geral”, escreve Conthe.

Circula ainda a teoria de que a tese pode ter sido escrita por outro académico, no caso, o economista Carlos Ocaña, que já negou essa possibilidade. “Limitei-me a colaborar na publicação do livro após a tese”, esclareceu.

(atualizado às 13h00 com o anúncio de Pedro Sánchez de que vai facilitar o acesso público à sua tese de doutoramento)

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)