FC Porto

Casillas cumpre a 20.ª Champions consecutiva e destrona Giggs como o jogador com mais Ligas dos Campeões de sempre

O guarda-redes espanhol jogou a sua 20.ª edição da principal prova europeia, ultrapassando o histórico galês no topo da lista. Desde que é sénior, Casillas disputou sempre a Liga dos Campeões.

Os dedos das mãos não chegam para Casillas contar as presenças na Champions: é preciso multiplicar por dois

AFP/Getty Images

Se o jogo entre FC Porto só começou a desenhar a sua história aos 13 minutos com a grande penalidade falhada por Alex Telles, desde que colocou os pés em campo que Iker Casillas já tinha cumprido a sua quota parte de feitos: ao jogar na Liga dos Campeões nesta temporada, o guarda-redes espanhol tornou-se o jogador com mais edições da prova disputadas de sempre, com vinte provas disputadas. 

Para trás, Casillas deixou nomes históricos como os já retirados Ryan Giggs (19), Scholes (17) e Gary Neville (16), com Champions disputadas pelo Manchester United, o holandês Robben (17), dividido entre PSV, Chelsea, Real Madrid e Bayern Munique, o compatriota Xavi (16), ao serviço do Barcelona, e o inevitável Cristiano Ronaldo (16), que disputou a prova com Manchester United e Real Madrid e se prepara para o fazer com a Juventus.

Iker Casillas não sabe o que é jogar como sénior e não disputar a Liga dos Campeões: desde que chegou ao plantel principal do Real Madrid, em 1999/2000, o guarda-redes entrou em todas as edições da principal prova europeia, cumprindo a 20.ª época consecutiva na Champions.

Foram 16 temporadas a representar o Real Madrid na Liga dos Campeões, com 150 jogos traduzidos em 88 vitórias, 29 empates e 33 derrotas. Mas, mais importante do que isso, foram três as ocasiões em que o espanhol levantou o desejado troféu enquanto capitão dos merengues: 1999/00, 2001/02 e 2013/14.

Pelo FC Porto, é a quarta edição da Liga dos Campeões disputada, num caminho que leva já 18 encontros, sete vitórias, cinco empates e seis derrotas. Títulos europeus, esses, ainda não conquistou nenhum de azul e branco vestido, mas não é por isso que não arrisca sonhar.

“Temos a ambição de que as coisas nos saiam bem para poder chegar o mais longe possível. A partir do momento em que estamos inseridos numa competição, temos o sonho de a conquistar. Desejamos dar pequenos passos, mas sólidos, e ganhar confiança para ultrapassar, pelo menos, a fase de grupos”, confessava Casillas, antes do encontro frente ao Schalke.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: flima@observador.pt
Eleições no Brasil

O solipsismo colectivo /premium

Paulo Tunhas

Os missionários de esquerda vivem isolados do mundo numa bolha que generosamente lhes permite uma espécie de solipsismo colectivo. Só eles, como um todo, existem, só eles são dotados de alma.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)