Educação

Professores querem reformar-se mais cedo se não recuperarem o tempo congelado

1.633

“Se este tempo de serviço puder compensar a idade para a reforma, há muita gente que vai embora. Nas reuniões nas escolas, no final acabamos sempre a fazer contas ao pessoal", conta Mário Nogueira.

RODRIGO ANTUNES/LUSA

O exemplo é este: um professor que não consiga recuperar os 9 anos em que a sua carreira esteve congelada poderia, em alternativa, reformar-se 3 anos mais cedo, caso o Governo aceitasse a proposta que a Fenprof lhe vai apresentar. A bonificação dos 3 anos é apenas um exemplo, já que as contas poderiam ser outras, como explica o secretário-geral do sindicato de professores.

“Imagine que um professor teve os 9 anos de carreira congelada, que até já tem os anos de serviço suficientes para se reformar sem penalização, mas não tem a idade. Se se reformar, vai ter uma penalização de 6% por cada ano que lhe faltar. Mas se puder optar por esta nossa proposta, em vez de subir de escalão, os 9 anos congelados abatiam 3 anos na idade requisito da reforma. Ao aposentar-se 3 anos mais cedo isso significava despenalizar 18%.” A explicação é dada por Mário Nogueira ao Observador e é uma das propostas que os sindicatos de professores vão levar para a próxima reunião com o Ministério da Educação.

A 7 de setembro, a última reunião entre o ministro Tiago Brandão Rodrigues e as dez estruturas sindicais que representam os docentes terminou sem acordo. O motivo? A recusa do governo em recuperar os 9 anos, 4 meses e 2 dias em que a carreira dos professores esteve congelada, e das quais os sindicatos não abdicam um dia, posição considerada “intransigente” pelo governo.

À saída dessa ronda negocial, o ministro anunciou a decisão de avançar unilateralmente para a recuperação de 2 anos, 9 meses e 18 dias, transformando a intenção do governo em decreto lei. Apesar disso, os professores avançaram com um pedido de negociação suplementar, para discutir ainda a recuperação das carreiras congeladas. Uns dias mais tarde, à SIC Notícias, a secretária de Estado da Educação, Alexandra Leitão, disse que o Governo iria aceitar esse pedido de negociação extra, sem se comprometer com uma data.

O habitual é a resposta com a marcação de data do encontro seguinte chegar até 5 dias úteis depois do pedido feito, prazo que termina esta sexta-feira.

À porta do Ministério da Educação, onde foi entregar com os dirigentes dos restantes sindicatos de professores o pré-aviso dos quatro dias de greve de outubro, Mário Nogueira explicou ao Observador o que será a proposta dos sindicatos e que não passa apenas pela bonificação na idade da reforma.

“Nesse encontro vamos concretizar uma proposta com dados concretos. Vamos aproveitar os 2 anos, 9 meses e 18 dias que o governo disse que os professores iam recuperar e que o primeiro-ministro, na Assembleia da República, disse que seria o tempo a recuperar em 2019. Por isso, primeiro queremos garantir que vai ser mesmo recuperado em 2019 e, em segundo lugar, vamos propor que o tempo que falta para os 3411 dias que os professores perderam seja recuperado em quatro tranches — em 2020, 2021, 2022 e 2023 — de 25% cada”, explicou o líder da Fenprof.

No entanto, sublinha que estão disponíveis para discutir os detalhes desta proposta, podendo, por exemplo, ser mais diluída no tempo. Mas há outros detalhes que irão apresentar a Tiago Brandão Rodrigues.

“O modo pode ser este, ou outro, podemos discutir se são logo os 2 anos e 9 meses, se mais, se menos. E até podemos discutir se o impacto é só no tempo de serviço, se, por exemplo, sendo na carreira, pode ser no acesso aos escalões que estão sujeitos a vagas. Isto quer dizer que os professores ficariam colocados nesses escalões [5.º e 7.º] sem ter de se submeter às vagas”, explica Mário Nogueira.

Voltando à aposentação, o líder da Fenprof diz que recuperar o tempo congelado em tempo de serviço não é, em alguns casos, a prioridade. Numa classe envelhecida, com muitos professores à beira da reforma, ser agora transferido de escalão não terá grande efeito para os valores de pensão a receber, já que esta contabiliza toda a carreira contributiva. A solução dos sindicatos é outra.

“A bonificação na idade da reforma é uma coisa que já aconteceu no passado. Imagine que um professor já tem os descontos todos necessários para se reformar, mas ainda não tem a idade. Isso dá uma penalização muito grande. Se lhe faltarem 5 ou 6 anos para a idade legal da reforma podemos estar a falar de uma penalização de mais de 30%”, diz Nogueira.

Por isso, os professores preferem outras soluções para os docentes que estão à beira de se poder aposentar. “Gostaríamos de discutir como é que aquele tempo de serviço poderia servir para despenalizar a idade de reforma, o que também não é inédito. Hoje, por cada três anos que os professores trabalhem a mais do que o tempo de serviço que a lei estabelece — 43 anos — o requisito da idade baixa um ano”, sublinha.

Voltando ao exemplo inicial, “podia ser outro, isto é só um exemplo”, um professor que tivesse atravessado os 9 anos de congelamento poderia ir para a reforma, sem penalização, 3 anos mais cedo desde que tivesse os descontos completos. No caso de alguém a quem faltam 5 anos para poder aposentar-se, aos 30% de penalização seriam abatidos 18%, o que faz uma diferença significativa nos valores da pensão.

“Se este tempo de serviço puder compensar a idade para a reforma, há muita gente que vai embora. Nas reuniões que temos andado a fazer nas escolas, no final acabamos sempre a fazer contas ao pessoal, porque há pessoas que estão desejando ir-se embora, seguir para a aposentação.” Mário Nogueira sublinha que esta hipótese teria de ser opcional, nunca obrigatória.

Greve nos 4 primeiros dias de outubro

A poucos dias da greve de outubro, Nogueira diz que os plenários de norte a sul têm corrido “muito bem”, e que mesmo as moções têm sido aprovadas “quase sempre por unanimidade”.

“Há a ideia de que este é o momento. Este é o último orçamento desta legislatura e as pessoas começam a ter a ideia de que se em 2019 não se der início da recuperação, o mais certo é o próximo governo, naquelas dias de graça, vá atirar-se ao estatuto da carreira docente e que volte a haver uma tentativa de acabar com a carreira do docente, de nos atirar para a carreira geral e para a tabela remuneratória única”, conclui.

A greve nacional de professores do ensino básico e secundário e dos educadores de infância decorre entre os dias 1 e 4 de outubro. Quem pretenda fazer a greve na totalidade dos quatro dias pode fazê-lo, embora esteja organizada por regiões. Dia 1 de outubro param os professores dos distritos de Lisboa, Setúbal e Santarém; dia 2 é a vez de Évora, Beja, Portalegre e Faro; dia 3 a paralisação chega a Coimbra, Aveiro, Leiria, Viseu, Guarda e Castelo Branco e, por fim, no dia 4, ao distrito do Porte, de Braga, Viana do Castelo, Vila Real, Bragança e Açores.

Não há lugar à fixação de serviços mínimos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: akotowicz@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)