Rádio Observador

PSD

Pedro Duarte lança Manifesto X para criar “um programa alternativo para o país”

443

O Manifesto X, criado por Pedro Duarte, pretende elaborar um programa de governo alternativo. "Não se trata de conspiração contra Rui Rio", garante o social-democrata.

ESTELA SILVA/LUSA

Pedro Duarte lança este sábado o “Manifesto X”. Uma iniciativa que tem um único objetivo: “criar um programa alternativo para o país”, garante ao Observador. O social-democrata assegura que não se trata de uma forma de organizar a oposição interna a Rui Rio. “Não é de maneira nenhuma uma forma de conspiração”, diz. E para que não restem dúvidas estabelece uma condição para integrar o manifesto: “militante do PSD não entra”.

Há cerca de um mês e meio, Pedro Duarte afirmou, em entrevista ao Expresso, que está disposto a avançar contra Rui Rio para liderar o PSD. Muito crítico do atual líder e do caminho que a direção do partido tem seguido, o social-democrata anunciou sem tabus a sua intenção de liderar uma alternativa. Este contexto pode suscitar dúvidas quanto à verdadeira natureza do manifesto que lança este sábado, mas o ex-governante não se mostra beliscado por essa análise. “Pretendo fazer isto pela positiva e por fora. É apenas isto. A partir daqui, cada um que faça a análise que entender”.

No entanto, não recusa a ideia de que esta iniciativa pode vir a ser útil para solidificar uma futura candidatura à liderança do PSD. “Claro que pode ser uma boa fonte de inspiração quando se concretizar a candidatura”, vaticina. “Mas não se trata de um projeto pessoal”, esclarece.

O manifesto pretende reunir sobretudo pessoas “independentes que nunca tiveram qualquer tipo de intervenção política em partidos” e colocá-las a debater as diferentes áreas de governação. O objetivo final é o de criar um programa alternativo de governo, que “pense no País”. Os amigos do PSD com quem Pedro Duarte foi falando “reagiram de forma positiva” à iniciativa, adianta ainda.

Para o efeito, escolheu dez relatores. Cada um destinado a coordenar uma dessas áreas. O académico Nuno Garoupa, professor na Universidade de Washington e ex-presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos, será o responsável pela pasta da Justiça. Já Francisco Ramos, que dirige o movimento “Porto, Nosso Movimento” – de Rui Moreira – e administrador do Grupo Auto Sueco, será o responsável pelo Território.

Mas também há, entre os dez relatores já confirmados, “dois millenials” – Hugo Carvalho, presidente do Conselho Nacional de Juventude, que será responsável pela área da Inovação; e Inês Ramalho, jurista que integrou a Estrutura de Acompanhamento dos Memorandos da Troika. “Houve a preocupação de diversificar também na idade das pessoas que vão participar na elaboração do manifesto”, explicou o ex-presidente da Juventude Social-Democrata.

Logótipo do “Manifesto X”, o movimento que Pedro Duarte lança este sábado

Por princípio, qualquer pessoa pode integrar esta iniciativa e participar na elaboração do programa. “O objetivo é que seja um movimento aberto a todos”. Até aos de esquerda, embora os dez pilares que o manifesto apresenta como “balizas de atuação” possam fazer com que haja pessoas que à partida não se identifiquem e não queiram participar. “Temos pilares básicos como a democracia com que todos concordarão mas outros que excluirão à partida pessoas que se identifiquem mais com o Bloco de Esquerda ou com o PCP“, sublinha.

Veja-se por exemplo o que diz o documento onde estão inscritos os dez pilares sobre cooperação – “o Manifesto (…) rejeita a noção
de trabalho contra capital e de proletariado contra o que quer que seja” – ou sobre mercados – “o Manifesto não é contra um sistema capitalista“.

Pedro Duarte pretende organizar uma série de sessões de debate e discussão para que o documento final “seja o mais completo possível”. A primeira deve acontecer já no dia 5 de outubro com direito a transmissão online. O resto do calendário não está fechado, “até porque podem vir a incluir-se sugestões de pessoas que venham a juntar-se ao manifesto”.

O social-democrata já escolheu três conferencistas para participarem nestas sessões. O nome mais sonante até ao momento é o de Manuel Ramalho Eanes, filho do ex-Presidente da República, que irá falar sobre “A Nova Organização do Estado”.

O surgimento do “Manifesto X” acontece numa semana particularmente turbulenta no seio do PSD. Além de se tratar da semana em que Pedro Santana Lopes entregou as assinaturas para formalizar o Aliança no Tribunal Constitucional, foi a mesma semana em que a direção do partido pediu a todas as distritais que assinassem um acordo escrito de apoio “inequívoco” a Rui Rio, tendo recebido uma nega da parte do PSD-Lisboa, liderado por Pedro Pinto, que se recusou a assinar esta espécie de moção de confiança interna. Para culminar, ficou a saber-se nesta sexta-feira que o ex-ministro Martins da Cruz abandonou o partido por não concordar com o rumo seguido pela nova direção social-democrata.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt
Eleições na Madeira

Na Madeira /premium

Maria João Avillez

Que dizer do receio semi-escondido do PS de não ter maioria absoluta versus o sonoro alívio manifestado ontem pelo mesmo PS por a Madeira se ter livrado dessa praga horrível?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)