PCP

PCP defende que EMEF volte a fazer parte da CP

Um grupo de deputados comunistas, encabeçado por João Oliveira, esteve esta tarde a visitar as instalações da EMEF no Entroncamento. No fim, o líder da bancada defendeu a junção da empresa com a CP.

PAULO NOVAIS/LUSA

“Então, o funcionamento desta peça é decisivo para que o comboio possa funcionar”. A frase de João Oliveira podia referir-se à “geringonça”, sendo o PCP a peça indispensável para colocar a locomotiva – leia-se: o Governo – nos eixos. Mas não. Metáforas à parte, esta foi a conclusão do líder parlamentar dos comunistas depois de ouvir uma explicação de um trabalhador da EMEF sobre o distribuidor de freio. A conversa aconteceu durante uma visita que um grupo de deputados fez esta segunda-feira às instalações da empresa de manutenção de equipamento ferroviário no Entroncamento.

João Oliveira liderava a comitiva composta por mais dois colegas de bancada: Bruno Dias e Duarte Alves, o economista que entrou para a Assembleia da República para substituir o carismático Miguel Tiago. Guiados por um dos administradores do complexo, num percurso que durou pouco mais de meia hora, esta tríade ia cumprimentando os mais tímidos e ouvindo os menos envergonhados. Depois de estenderem a mão, recebiam muitas vezes um antebraço, já que as mãos dos funcionários estavam quase sempre manchadas pelo óleo das peças que estavam a recuperar antes de serem surpreendidos pelo grupo. Pelo meio, encontraram um trabalhador que tinha acabado de regressar de férias e que estava satisfeito por ter entrado recentemente para o quadro. “Foi graças ao PREVPAP [o programa do Governo para passar para os quadros os trabalhadores com vínculos precários]”. Satisfeito ficou também João Oliveira: “Ora aqui está um exemplo daquilo que temos andado a fazer”, disse, bem disposto.

Sempre que paravam para ouvir explicações mais técnicas, Bruno Dias surgia como o deputado mais animado, informado e entusiasta. “Essa peça é exclusiva dos comboios azuis da Fertagus”, explicava Flávio Soares, um experiente técnico de reparação. “Que são os mesmos que estão pintados de vermelho na Azambuja”, completou Bruno Dias. “É verdade… Antes eram verdes, agora parecem o autocarro do Benfica”, respondeu-lhe o trabalhador, aparentemente indiferente à cor política dos deputados que tinha à frente.

No final da visita, que foi antecedida de uma reunião entre os deputados e administração das instalações, João Oliveira falou aos jornalistas para apresentar conclusões preliminares. “Além das contratações de trabalhadores que foram anunciadas pelo Governo é necessário ir mais longe“, começou por dizer, voltando a deixar no ar uma subtil crítica à falta de ambição do Executivo, à semelhança do que fizera no discurso inaugural das jornadas parlamentares do PCP, que arrancaram esta segunda-feira de manhã em Santarém.

Para a parte final das declarações, guardou um pedido. “Esta visita permitiu (…) entender que é necessário integrar a EMEF na CP, de onde nunca devia ter saído”. E reforçou a ideia: “Como costumamos dizer: não há EMEF sem CP nem CP sem EMEF. Por isso é necessário um plano estratégico” que pense na conjuntura e que conceba a fusão das duas entidades.

João Oliveira pediu ainda que se desse mais atenção a esta empresa e que se apostasse na qualificação dos trabalhadores, “para que não se perca o know-how”, e que se aumente o número de funcionários para que a EMEF consiga fazer face à quantidade de trabalho existente.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)