A tarde era convidativa, como notou Marcelo Rebelo de Sousa quando chegou à baía de Cascais. “É impressionante, estão 28 graus”, disse o Presidente da República ao militar que o acompanhava. O relógio marcava as 17 horas e o palco montado mesmo à beira-mar aguçava a vontade de entrar no mar. Mas a Praia dos Pescadores estava interdita. Ao longo das três horas seguintes iria ser o cenário utilizado pela Força Aérea, pelo Exército e pela Marinha para as demonstrações militares que visavam assinalar o dia 5 de outubro. A boa disposição do Presidente da República, que quebrava a formalidade que a cerimónia exigia para uma ou outra selfie, não serviu para esconder o elefante na sala: a ausência de representantes do Governo.

Depois de cada demonstração militar, seguia-se um concerto da banda sinfónica de um dos três ramos das forças armadas. Um ritmo que obrigou Marcelo Rebelo de Sousa a sentar-se e levantar-se algumas vezes. Ora assistia a um exercício de demonstração das forças militares, ora se sentava para ouvir o concerto. Sempre acompanhado pelo presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, acenava sorridente sempre que era interpelado. No final, e numa atitude pouco comum, não quis falar à imprensa. Afinal, já tinha discursado e prestado declarações aos jornalistas nas cerimónias matinais.

Marcelo dá dez lições e aponta riscos das “debilidades partidárias” e “tratamento errado das forças armadas”

O silêncio de Marcelo Rebelo de Sousa não permitiu aferir se tinha sentido a ausência do Ministro da Defesa, normalmente presente em eventos que envolvem os três ramos das Forças Armadas, ou de, pelo menos, algum representante do Executivo. Mas o facto de ter estado sozinho não passou despercebido a quem observou com atenção o comportamento do Chefe de Estado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Esta ausência ganha mais peso por acontecer numa altura em que Azeredo Lopes se encontra debaixo de fogo devido ao caso Tancos. Apesar de o primeiro-ministro ter vindo a terreiro defender o ministro, afirmando que, por agora, não vê razões para a sua demissão, não é certo que a sua continuidade esteja totalmente assegurada. Já esta sexta-feira, à margem da cerimónia oficial do 5 de outubro – na qual o Ministro da Defesa também não esteve presente -, Carlos César afirmou que se houver responsabilidades do governante neste caso terão de se “retirar as respetivas consequências”.

Tancos. Provas comprometidas. Exército admite que computador onde estava relatório possa ter sido formatado

O mau-estar em torno do caso Tancos está a crescer e a estratégia do Governo parece ser a de resguardar Azeredo Lopes e a sua imagem. Esta sexta-feira, em Cascais, numa cerimónia dedicada a demonstrações militares, a sua ausência acabou por se tornar demasiado evidente.