Parlamento

PS procura parceiro para aprovar pacote da habitação: “Estamos disponíveis para qualquer tipo de entendimento”

168

A maioria de esquerda falha nas propostas do Governo para a habitação e o PS faz agora um apelo a um "consenso alargado" com "outras forças que não o PCP e o BE".

João Torres, deputado socialista, diz que "o PS nunca enjeitou nenhum diálogo com nenhuma força política na Assembleia da República"

ANDRÉ KOSTERS/LUSA

O PS está à procura de um parceiro de última hora para aprovar o pacote da habitação que inclui benefícios fiscais para senhorios que façam contratos longos, perante a pressão que o primeiro-ministro deixou ainda esta quarta-feira no debate quinzenal. A questão fiscal é rejeitada pela esquerda, parceiro natural do PS nesta legislatura, por isso o partido vira-se agora para o lado de lá da “geringonça”.

O deputado João Torres chamou esta quinta-feira todos os partidos “à responsabilidade” para uma solução que resolva os problemas do arrendamento no país e, à falta da esquerda, sublinha agora que “o PS nunca enjeitou nenhum diálogo com nenhuma força política na Assembleia da República”. Os socialistas estão, assim, “disponíveis para qualquer tipo de entendimento” com “outras forças políticas, que não o PCP ou o Bloco de Esquerda”, disse o deputado depois da reunião da bancada parlamentar.

A máxima é “interagir com todos”, para responder a um apelo que já veio do próprio primeiro-ministro, ainda no último debate quinzenal, com António Costa a pedir urgência na Assembleia da República sobre as iniciativas que visam resolver os problemas de habitação, sobretudo no mercado do arrendamento — mais intensos nos grandes centros urbanos. Uma das vozes que veio recentemente fazer um apelo semelhante foi precisamente o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina. No discurso do 5 de outubro, Medina desafiou os partidos que compõem a “‘geringonça”, mas o PS parece já ter desistido desta via.

E isto porque o PS se recusa a recuar na questão dos benefícios fiscais aos senhorios. “Era preciso que houvesse propostas com a mesma amplitude transformadora” das que o Governo apresentou, responde João Torres quando confrontado com a hipótese de deixar cair o que afasta a esquerda no pacote legislativo da habitação — e não entraram propostas de alteração neste sentido. Para os socialistas, “os benefícios fiscais são uma forma de atuar no imediato para ver as consequências da legislação”.

A votação das propostas, no grupo de trabalho que está a funcionar no Parlamento sobre a habitação, estava prevista para esta quinta-feira, mas o PS pediu o adiamento, tentando evitar um chumbo. O partido insiste “no amplo consenso”, numa altura em que já terminou o prazo para a entrada de propostas de alteração ao que o Governo propôs inicialmente e dramatiza o apelo:

É importante que nos dirijamos às classes médias que estão a sentir esta pressão imobiliária. É muito importante que cada grupo parlamentar seja chamado às suas responsabilidades de forma a que esta não seja uma oportunidade perdida“.

O grupo de trabalho da Habitação, Reabilitação Urbana e Políticas de Cidades reúne-se esta quinta-feira, depois do plenário, e o assunto voltará a ser colocado em cima da mesa pelo PS.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Política

Salazar /premium

Helena Matos
966

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida
108

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)