Orçamento do Estado

Preço dos sacos de plástico vai aumentar para 15 cêntimos

1.180

O PAN anunciou esta tarde um acordo com o Governo para aumentar do preço dos sacos de plástico de 8 para 12 cêntimos. Custo final para os consumidores, com IVA, sobe de 10 para 15 cêntimos.

Miguel A.Lopes/LUSA

O Governo e o partido Animais-Pessoas-Natureza (PAN) chegaram a acordo sobre quatro propostas que vão entrar já na proposta de Orçamento do Estado para 2019 que será entregue no Parlamento na segunda-feira, entre elas o aumento do custo dos sacos de plástico, como por exemplo os de supermercado, de 8 para 12 cêntimos a partir do próximo ano. Este é o preço sem IVA. Contabilizando o IVA, o custo para os consumidores agrava-se para 15 cêntimos.

O preço de cada saco de plástico leve vai aumentar em 50%, de acordo com o PAN, que diz que chegou a acordo com o Governo para que estas propostas sejam incluída da proposta de Orçamento. Esta é, assim, a primeira vez que o partido consegue que uma proposta sua integre a proposta inicial. Nos anos anteriores, o partido já tinha conseguido ver aprovadas algumas das suas propostas, mas na fase da discussão na especialidade.

Esta não é a única proposta em que o PAN terá conseguido o acordo do Governo. O partido diz que conseguiu ainda um acordo para que os projetos de formação de cães de assistência que ajudam pessoas com dificuldades motoras, diabetes, epilepsia, cegos e crianças com autismo — que custa entre 10 e 20 mil euros — passem a ter prioridade no âmbito dos acordos de cooperação da Segurança Social com entidades terceiras.

O partido conseguiu ainda que o Governo retire os apoios e termine a atividade recreativa de tiro ao voo — que utiliza pombos como alvos — e o fim de isenção no IVA de que beneficiam os artistas tauromárquicos, uma medida que o partido já tinha anunciado como fechada com o Governo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nmartins@observador.pt
Orçamento do Estado

Um orçamento da era pós-verdade

José Avillez Ogando
111

Enquanto o enorme peso dos impostos indiretos continuar a agravar a injustiça fiscal e o Estado continuar a brincar com uma excessiva exposição aos riscos externos, a culpa será sempre "dos mercados".

Orçamento do Estado

De reino a protectorado, que futuro?

Filipe Simões de Almeida

Portugal é hoje uma espécie de protectorado que tem de suportar os ditames dos credores. E infelizmente a maioria dos agentes políticos é situacionista, beneficia da situação actual e não quer mudar.

Orçamento do Estado

Redução da propina: o tapete mágico

João Pedro Videira
202

Se utilizássemos os 50 milhões que a redução do valor da propina deverá custar ao Estado na construção e reabilitação de residências, isso daria quase para duplicar a oferta disponível em todo o país.

Inovação

A energia dos millennials

Rui Assis

A geração millennial é exigente e quer conveniência, simplicidade e rapidez. Mas estarão as empresas preparadas para responder e conquistar esta geração de consumidores? Talvez ainda falte algo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)