Aeroportos

Novo aeroporto. Deslocar parte dos aviões do Montijo vai custar 115 milhões de euros

102

Força Aérea já apresentou a fatura para a operação de "limpeza" da base áerea n.º 6. Solução acordada com ANA Aeroportos prevê coexistência de aviões civis e militares no Montijo.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A Força Aérea vai manter algumas esquadrilhas militares no novo aeroporto do Montijo e deslocar parte da sua frota para as bases de Sintra e Beja, avança a edição desta sexta-feira do jornal Público. A transferência dos EH101 e C295 vai custar 115 milhões de euros, valor que caberá à ANA Aeroportos pagar — se a pronto ou em prestações, esse é um ponto que ainda não estará fechado.

Das atuais frotas instaladas na base aérea número 6, só os helicópteros Lynx da Marinha (que esta semana celebraram 25 anos) ali continuarão. A estes há de juntar-se a esquadrilha de KC390, que se prevê que comecem a chegar a Portugal a partir de 2021 e que vão substituir os C130 em fim de vida. O ponto fundamental para esta decisão passa pelo facto de ser possível conciliar a operação quer dos Lynx quer dos KC390 com os voos civis.

Para Sintra, a Força Aérea prevê deslocar os helicópteros de busca e salvamento EH101, junta esta frota à dos helicópteros Alouette. E em Beja ficarão instalados os aviões de carga C295.

A reconversão da base aérea do Montijo, transformando-a numa plataforma também para voos civis, também pressupõe alterações nas instalações aeroportuárias da capital. De acordo com o mesmo jornal, o material (muitas vezes sensível) guardado no hangar de Figo Maduro que serve as Forças Nacionais Destacadas passará para o Montijo. A zona militar de Figo Maduro será convertida pela ANA Aeroportos num “aeroporto de Estado” para receber as figuras de Governo e de Estado que visitem Portugal e será também a casa dos Falcon usados por Presidente da República, primeiro-ministro e membros do Governo em visitas ao estrangeiro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt
Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)