Futebol

Platini quer provar que houve conspiração na FIFA para o afastar do futebol

O antigo presidente de UEFA Michel Platini apresentou uma queixa contra desconhecidos. Platini suspeita de que existiram fugas de informação na FIFA e questiona o papel do antigo presidente Blatter.

ALESSANDRO DI MARCO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O antigo presidente de UEFA Michel Platini apresentou uma queixa contra desconhecidos, na expectativa de conseguir provar que houve uma conspiração na FIFA para o banir do futebol, anunciou esta sexta-feira o seu advogado.

“Apresentámos uma queixa por denúncia caluniosa e conspiração”, disse o advogado do antigo futebolista internacional francês, acrescentando: “esta queixa poderá determinar que houve uma ação concertada com o objetivo de criminalizar indevidamente Platini”.

O advogado William Bourdon confirmou informações divulgadas pelo jornal Le Monde, segundo as quais Platini suspeita de que existiram fugas de informação na FIFA e questiona o papel do antigo presidente da FIFA Joseph Blatter em todo o processo.

Platini foi suspenso de funções em maio de 2016, na sequência do escândalo do pagamento de 1,8 milhões de euros em 2011, por suposto trabalho de consultadoria, sem um contrato escrito, pedido por Joseph Blatter, à data presidente da FIFA.

Desde o veredicto do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS), conhecido em 9 de maio de 2016, Platini anunciou a intenção de “continuar a lutar nos tribunais suíços”, tendo apresentado recursos no Supremo Tribunal Suíço e no Tribunal Europeu dos Direitos do Homem.

Blatter, de 81 anos, teve de renunciar à presidência da FIFA em 2 de junho de 2015, depois de ter sido reeleito para um quinto mandato, na sequência de revelações de corrupção, iniciadas com investigações da justiça norte-americana, que resultaram numa vaga de prisões.

O suíço foi suspenso por seis anos de qualquer atividade do futebol, por “abuso de posição”, “conflito de interesses” e “má gestão”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)