Rádio Observador

Francisco Pinto Balsemão

Balsemão diz que revisão da concessão da RTP “é janela” para protestar contra concorrência desleal

O patrão da Impresa, Francisco Pinto Balsemão, disse à Lusa que a revisão do contrato de concessão da RTP no próximo ano é uma "janela" para a dona da SIC protestar contra a concorrência desleal.

MIGUEL A.LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O patrão da Impresa, Francisco Pinto Balsemão, disse esta quinta-feira à Lusa que a revisão do contrato de concessão da RTP no próximo ano é uma “janela” para a dona da SIC protestar contra a concorrência desleal da televisão pública. Francisco Pinto Balsemão falava à margem das conferências do Chiado, em Lisboa, organizadas pelo Movimento para a Cidadania Sénior e o Centro Nacional de Cultura, onde o presidente do Conselho de Administração da Impresa foi orador sobre o tema “Defender a Comunicação Social de Qualidade na selva das ‘fake news’ [notícias falsas]”

Questionado sobre o facto de o Governo ter mantido o valor da contribuição para o audiovisual (CAV) da RTP na sua proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), assinalando que o grupo de ‘media’ público tem “atualmente um financiamento estável”, Francisco Pinto Balsemão considerou que essa taxa é uma “exorbitância”.

“Pelas vias que entendemos competentes, inclusive uma intervenção do nosso CEO [presidente executivo], pronunciámo-nos contra o aumento da CAV, também nos temos pronunciado contra a própria exorbitância que a CAV já atingiu. Desde que a SIC existe que nós protestamos contra a concorrência desleal da RTP e não mudámos de opinião”, acrescentou o gestor.

Instado a comentar se a revisão do contrato de concessão da RTP previsto no OE2019 é uma oportunidade para a Impresa contestar a CAV, Pinto Balsemão afirmou: “Se calhar é uma janela”.

“Sempre que for preciso, não quer dizer que não haja boas relações profissionais, quer pessoais, com as pessoas que estão à frente da RTP e que lá trabalham, iremos protestar, pois entendemos que as condições de concorrência não são leais devido ao protecionismo”, afirmou, apontando a CAV, como também os aumentos de capital da estação pública.

Na sua intervenção inicial, Francisco Pinto Balsemão disse que se vive tempos “conturbados” e que, no caso das notícias falsas ou alternativas, uma das novidades é a “velocidade e escala da propagação” e no seu “apelo emocional”, pela adesão que conseguem.

A segunda novidade é que as redes sociais permitem a influência de grupos organizados com determinados objetivos, que desaparecem quando alcançam as suas metas.

Desde ataques e ofensas, passando por falsidades, estes grupos organizados atuam de uma forma quase impune, segundo o fundador do jornal Expresso, apontando ainda a existência de ‘hackers’ profissionais que são pagos para destruir, através das redes sociais, pessoas ou organizações.

A este propósito, recordou que ele próprio já foi alvo de uma iniciativa dessas, “paga pela Ongoing”.

“A terceira novidade, que não é de hoje, mas é muito recente, é o já referido crescimento exponencial do chamado GAFA — Google, Apple, Facebook e Amazon”, apontou, que têm um regime fiscal favorável em relação às outras empresas e que repartem entre si cerca de 80% da publicidade digital.

Sobre o papel dos ‘media’ na segunda década deste século, Francisco Pinto Balsemão apontou que as empresas de media para serem independentes, precisam recuperar as receitas perdidas em publicidade e em venda de conteúdos.

“Uma das maneiras de o conseguir será a aplicação e o reforço, a nível nacional e europeu, da legislação sobre a propriedade intelectual, o que parece estar finalmente a ser conseguido, embora com aquela enervante lentidão do ‘triálogo’ de Bruxelas”, afirmou.

O patrão da Impresa declarou ser urgente que os jornalistas se reposicionem, se dediquem mais ao como e ao porquê, visto que as redes sociais já tomam conta do quando, onde e quem.

“O jornalismo deve manter e fortalecer o que tem de essencial: a independência editorial perante todos os poderes (político, económico, cultural, desportivo) e perante o próprio poder corporativo dos jornalistas”, defendeu.

Posteriormente, respondendo a questões da audiência, Francisco Pinto Balsemão disse que os jornalistas “não podem trabalhar uns para outros para aparecer no Twitter” e considerou, relativamente à educação, “se não seria bom limitar os mandatos dos dirigentes sindicais dos professores”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Democracia

A segunda parte do 25 de Abril /premium

Rui Ramos
420

Há 40 anos, a Aliança Democrática salvou a democracia em Portugal. Como vai agora evoluir o regime, sem uma direita democrática reformista como a que em 1979 fundou a AD?

Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)