Rádio Observador

Alojamento Local

Novas regras para Alojamento Local. Associação pede clareza a Fernando Medina

Novas regras para o Alojamento Local entram em vigor este domingo. Associação do setor critica centralização do debate em Lisboa e pede que a câmara da capital clarifique as decisões que vai tomar.

Associação diz que debate sobre zonas de contenção esteve muito centrado nos problemas de Lisboa

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP) quer que o presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), Fernando Medina, e a autarquia “clarifiquem as regras do jogo” no que diz respeito à entrada em vigor, neste domingo, das novas regras do Alojamento Local. As novas regras preveem, entre outras situações, a criação de zonas de contenção, onde vai ser limitado o número de propriedades que podem ser destinadas a Alojamento Local por cada proprietário.

Na semana passada, a CML anunciou que iria suspender novos registos de alojamento local nos bairros lisboetas da Madragoa, Castelo, Alfama, Mouraria e Bairro Alto, que poderão constituir as chamadas zonas de contenção, o que preocupou os operadores turísticos. “No que diz respeito à possibilidade de criação de zonas de contenção — até ao momento apenas Lisboa tornou pública a vontade em querer aplicar –, importa esclarecer que diz respeito apenas à possibilidade de suspensão temporária de registos em certas áreas até que o Regulamento [sobre as zonas de contenção] seja publicado“, explica a ALEP num comunicado enviado às redações.

Só quando o regulamento — ou os regulamentos, já que será uma responsabilidade de cada autarquia — que define o funcionamento das zonas de contenção for publicado é que essa possibilidade irá entrar em vigor. Até lá, em Lisboa, ficaram suspensos os novos registos. Mas Eduardo Miranda, presidente da ALEP, está preocupado com a possibilidade de “muitos titulares de AL pelo país” ainda não estarem “informados e preparados para as alterações, pois o debate esteve novamente concentrado em questões muito específicas de Lisboa”.

A centralização do debate em Lisboa, impediu que se transmitisse as alterações que se aplicam a todo o país (exceto Açores) e que são agora essenciais para quem vai iniciar atividade“, considera a ALEP, que está “a preparar um projeto completo de informação e formação para esclarecer as novas regras do AL” aos proprietários de todo o país.

A associação considera que as regras para as zonas de contenção “não precisam ir ao extremo de proibição cega de novos registos“. “Tal como a ALEP tem dito e repetido, existem outras soluções, mais saudáveis para o Turismo, para a cidade e para os lisboetas. Na última semana, foi possível perceber que este tipo de ameaça apenas aponta o caminho da proibição, sem critérios claros e inequívocos, sem esclarecimentos públicos e oficiais das regras, e acaba por ter o efeito contrário do pretendido, pois cria pânico desnecessário no mercado e gera uma corrida aos registos“, lê-se no comunicado enviado pela associação.

“É fundamental e urgente que a Câmara e o presidente Fernando Medina clarifiquem as regras do jogo de forma a trazer de novo estabilidade ao mercado. Precisamos de um Regulamento moderno e europeu, exemplar, não precisamos de mais incertezas e arbitrariedade“, apela a associação.

As novas regras para o Alojamento Local, aprovadas a 18 de julho com os votos contra do PSD e do CDS-PP, entram em vigor este domingo, dando mais poderes às câmaras municipais para fiscalizar, suspender e cancelar os registos de Alojamento Local, mas também para aprovar e recusar os novos registos e para criar zonas de contenção nos municípios. A nova legislação dá também aos condomínios mais poderes para aprovar ou rejeitar a instalação de Alojamentos Locais em prédios onde também existam habitações permanentes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)