Rádio Observador

Nissan

Leaf de 60 kWh no início de 2019 por mais 4.800€

148

A Nissan parece ter muitas cartas na manga em matéria de veículos eléctricos. Além do Leaf com mais bateria, de forma a incrementar a autonomia, prepara também um SUV maior e mais caro.

Autor
  • Observador

A Nissan foi a primeira a apostar nos veículos eléctricos alimentados por bateria de forma viável. Logo na primeira geração, propôs um modelo habitável, com dimensões típicas do segmento C, mas ainda assim acessível. É claro que a explosão das vendas só aconteceria com a segunda geração, aquela que agora está à venda e que lidera o mercado europeu, sendo o segundo mais vendido ao nível mundial, com o fabricante japonês a admitir que vendeu mais nos últimos sete meses do que nos primeiros sete anos da primeira geração.

Se o Leaf com bateria de 41 kWh, capaz de uma autonomia de 270 km em WLTP e proposto por valores a partir de 33.400€ é uma das melhores propostas do segmento, o construtor nipónico está consciente que vem aí uma concorrência cada vez mais forte, com a chegada do novo Renault Zoe, do Kia e-Niro, em 2019, e o novo VW I.D. Neo, em 2020. Entre outros argumentos, os adversários vão fazer elevar as expectativas em termos de autonomia, o que vai levar a Nissan a passar a propor, como aliás estava previsto, um Leaf com uma capacidade de 60 kWh. Isto elevará a autonomia para 395 km, um valor substancialmente mais interessante, mesmo para aqueles que não são fãs de carros a bateria.

Alex Bernstein, um especialista em preços da CarsDirect, já terá visto os preçários do novo Leaf com acumulador king size, o que lhe permitiu concluir que será competitivo. O técnico da empresa de Los Angeles afirma mesmo que será mais barato nos EUA do que o Chevrolet Bolt (36.620$) e em linha com o Tesla Model 3 com a bateria mais pequena (50 kWh), que deverá começar a ser entregue aos clientes a partir do início de 2019, por 35.000$. Segundo Bernstein, o Leaf com 60 kWh custará mais 4.800€ (cerca de 5.500$) do que o seu parente com apenas 41 kWh, o que coloca o seu preço no mercado americano nos 35.400$, o que na Europa se deverá traduzir por cerca de 38.200€. Um bom valor face aos concorrentes com capacidade similar. E não é impossível que o Leaf com maior capacidade seja igualmente capaz de lidar com maior potência de carga, com 100 kW em vez dos actuais 50 kW, o que reduzirá potencialmente a metade o tempo para recarregar o acumulador.

Depois do eléctrico popular, o SUV de luxo

Recorda-se do Nissan IMx, o protótipo de um SUV eléctrico de linhas ousadas? Pois bem, tudo indica que esse modelo vai mesmo passar à produção em série, com cerca de 400 km de autonomia em WLTP e um preço nos EUA de 45.000 dólares.

Na gama da Nissan, o novo SUV será posicionado acima do Leaf, enquanto veículo eléctrico, sendo que a sua plataforma será depois partilhada com as três marcas do grupo Renault-Nissan-Mitsubishi. Os 400 km de autonomia são um valor interessante, mas não necessariamente um valor de referência, uma vez que o Leaf com 60 kWh, apesar de mais barato 10.000$, reivindica um valor semelhante.

Ao contrário do Nissan Leaf, com 4,49 metros de comprimento, o SUV a derivar do IMx deverá exibir no mínimo 4,7 m de bitola, o que o colocará na mesma fasquia do ainda não visto Model Y da Tesla, que entretanto deverá ser igualmente disponibilizado, assumindo-se como um Model 3, mas em forma de crossover.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)