Pinto da Costa

Pinto da Costa é um dos sete arguidos num processo que nasceu do caso dos emails

1.974

Jorge Nuno Pinto da Costa, presidente do Futebol Clube do Porto, é arguido por "ofensa a pessoa coletiva", neste caso, o Benfica. Um sétimo arguido está indiciado por "violação de correspondência".

ESTELA SILVA/LUSA

Jorge Nuno Pinto da Costa, presidente do Futebol Clube do Porto, é um dos sete arguidos — juntamente com outros administradores da SAD do FC Porto — de um processo que nasceu do caso dos emails, por ofensa a pessoa coletiva, neste caso, o Benfica. O sétimo arguido é um comentador do Porto Canal que está indiciado por violação de correspondência.

O líder dos dragões, recorde-se, esteve esta sexta-feira nas instalações do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) para ser ouvido pelo Ministério Público. Em causa, estará uma queixa feita pelo Benfica de roubo e violação de privacidade, no âmbito da divulgação de emails do clube da Luz e também por ofensas ao clube e aos seus dirigentes.

No total, esta sexta-feira foram constituídos sete arguidos e seis deles estão indiciados por “prática de crime de ofensa a pessoa coletiva”: o presidente do FC Porto, três administradores executivos (Reinaldo Teles, Adelino Caldeira e Fernando Gomes), e dois administradores não executivos (José Américo Amorim e Rui Vieira de Sá).

Já o sétimo arguido está indiciado pela prática de crime de violação de correspondência e por ofensa a pessoa coletiva. Trata-se de Diogo Faria, comentador do Porto Canal, que escreveu juntamente com Francisco J.Marques o livro “Apito Encarnado”, no qual revelam alguns dos emails enviados pelo Benfica. Por esse motivo, é constituído arguido e junta-se ao diretor de comunicação do FC Porto, que até agora era o único arguido.

O DCIAP avisa ainda que “o referido inquérito é distinto do designado “caso dos e-mails, onde se investigam crimes de corrupção e no qual, como já foi tornado público, existe um arguido constituído”.

FC Porto confirma que Pinto da Costa é arguido

Entretanto, o FC Porto já veio confirmar a constituição de Pinto da Costa como arguido. “Na sequência do esclarecimento hoje divulgado pelo DCIAP, a FC Porto – Futebol, SAD confirma a constituição como arguidos dos seus seis administradores, a quem é imputado o crime de ofensa a pessoa coletiva, na sequência de uma queixa do SL Benfica”, lê-se num comunicado divulgado esta noite no

“Nem ao presidente do Conselho de Administração da FC Porto – Futebol, SAD, Jorge Nuno Pinto da Costa, nem a qualquer outro dos seus administradores foi imputada a participação em qualquer ato de acesso ilegítimo à correspondência electrónica do SL Benfica, ou de divulgação pública dessa correspondência”, acrescenta o comunicado.

A nota divulgada confirma ainda a constituição como arguido de um funcionário do departamento de informação e comunicação, Diogo Faria, mas garante que “a ninguém do FC Porto ou com ele relacionado foi imputada a suspeita de roubo dos e-mails do SL Benfica, ou de acesso ilegítimo à correspondência electrónica do SL Benfica”.

“Como muito bem refere o esclarecimento do DCIAP, este caso nada tem a ver com o chamado processo dos e-mails, em que se investigam, entre outros crimes, atos de corrupção”, avisa o FC Porto.

Leia o comunicado do DCIAP na íntegra:

“Ao abrigo do disposto no art.º 86.º, n.º 13, al. b), do Código de Processo Penal, informa-se:

No âmbito de inquérito que teve origem numa queixa apresentada pelo Sport Lisboa e Benfica, foram, hoje, constituídos e interrogados sete arguidos. Estes arguidos encontram-se indiciados pela prática do crime de ofensa a pessoa coletiva, estando, ainda, um deles indiciado pela prática crime de violação de correspondência.

O referido inquérito é distinto do designado “caso dos e-mails”, onde se investigam crimes de corrupção e no qual, como já foi tornado público, existe um arguido constituído.

Esclarece-se, igualmente, que as diligências de hoje tiveram lugar no DCIAP, por se realizarem no âmbito de um inquérito está atribuído à equipa que coordena as investigações relacionadas com crimes praticados no âmbito da atividade de competição desportiva de futebol e de crimes com aqueles conexos.

Como foi oportunamente informado, tal equipa foi constituída, por despacho da Procuradora-Geral da Republica, para que a investigação desses crimes se desenvolvesse com conhecimento global do fenómeno, de forma concentrada, integrada e coordenada, competindo-lhe decidir quais as investigações que lhe ficam afetas e quais as que devem ser investigadas noutros departamentos do Ministério Público”.

Leia o comunicado do FC Porto na íntegra:

Na sequência do esclarecimento hoje divulgado pelo DCIAP, a FC Porto – Futebol, SAD confirma a constituição como arguidos dos seus seis administradores, a quem é imputado o crime de ofensa a pessoa coletiva, na sequência de uma queixa do SL Benfica.

Nem ao presidente do Conselho de Administração da FC Porto – Futebol, SAD, Jorge Nuno Pinto da Costa, nem a qualquer outro dos seus administradores foi imputada a participação em qualquer ato de acesso ilegítimo à correspondência electrónica do SL Benfica, ou de divulgação pública dessa correspondência.

Diogo Faria, funcionário do departamento de informação e comunicação, também foi constituído arguido, tendo-lhe sido imputados os crimes de ofensa a pessoa coletiva e violação de correspondência, exatamente os mesmos crimes imputados há uns meses a Francisco J. Marques, diretor de Informação e Comunicação do FC Porto.

A ninguém do FC Porto ou com ele relacionado foi imputada a suspeita de roubo dos e-mails do SL Benfica, ou de acesso ilegítimo à correspondência electrónica do SL Benfica.

Como muito bem refere o esclarecimento do DCIAP, este caso nada tem a ver com o chamado processo dos e-mails, em que se investigam, entre outros crimes, atos de corrupção.

Com este esclarecimento a FC Porto – Futebol, SAD espera contribuir para o fim da campanha de desinformação que procura associar o nome do FC Porto ao caso de corrupção designado como processo dos e-mails.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)