Rádio Observador

Sudão do Sul

Facebook usado para leiloar uma rapariga de 16 anos no Sudão do Sul

184

Uma jovem de 16 anos foi leiloada através de um post feito na rede social Facebook no Sudão do Sul. A publicação, feita alegadamente por um dos pais, só foi apagada 15 dias depois de publicada.

Facebook apagou a publicação apenas 15 dias depois de ter sido feito, e dois dias após o casamento.

wikipedia.common

Nova polémica com o Facebook. Uma jovem de 16 anos no Sudão do Sul foi leiloada através de um post feito na rede social. A publicação foi, alegadamente, feita por um dos pais a 25 de outubro, mas só foi apagada pela rede social a 9 de novembro, pouco depois de a venda ter sido realizada, avança a CNN.

O objetivo do post era encontrar um futuro marido para a jovem, a troco de dinheiro ou bens, e pressupunha a assinatura de um acordo pré-nupcial. A troco da rapariga, o pai recebeu, alegadamente, 500 vacas, três carros e cerca de 10 mil dólares (aproximadamente 8,76 mil euros).

De acordo o porta-voz da organização humanitária Plan, George Otim, a publicação tornou-se viral no Sudão do Sul e “toda a gente na região sabia dela”.  Ainda assim, e apesar de ter 30 mil investigadores espalhados pelo mundo, a fiscalizar tudo o que é publicado, o Facebook demorou 15 dias a apagar a publicação.  Em comunicado citado pela CNN, o porta-voz da empresa foi taxativo sobre o assunto. “Qualquer forma de tráfico humano – seja publicações, páginas, anúncios ou grupos não são permitidos no Facebook. Nós removemos o post e desativámos permanentemente a conta associada ao responsável pela publicação”, reitera.

O Facebook, acusado de “barbaridade de uso tecnológico”, recusou-se a explicar o porquê de ter demorado tanto tempo a apagar o conteúdo. Mas assegurou estar a trabalhar todos os dias para evitar que estas situações aconteçam. A menina acabou por casar com um empresário, três dias antes da publicação ser eliminada, a 6 de novembro.

Apesar de o casamento infantil ser ilegal no Sudão do Sul, é considerado “uma prática recorrente”. Neste caso “foi elevado a outro patamar, já que teve o recurso da tecnologia”, afirma George Otim.

À CNN, a Aliança Nacional para as Jovens Advogadas do Sudão do Sul (NAWL) negou que a publicação tivesse sido feita por familiares. Suzy Natana, uma advogada da NAWL, através de relatos de colegas da criança, sabe que “a mãe não ficou feliz” com a venda. A advogada acrescentou ainda que esta menina foi a noiva mais cara da região.

No seguimento do sucedido, a organização humanitária Plan pede ao governo do Sudão do Sul que investigue o caso e detenha os envolvidos. “O casamento infantil é uma violação séria dos direitos humanos e uma forma de violência contra as raparigas”, sublinha  George Otim. “Isto pode ter profundas consequências na sobrevivência, saúde, educação, desenvolvimento e bem-estar das crianças, indo muitas vezes contra os seus melhores interesses”, refere.

Segundo dados divulgados pela UNICEF em novembro de 2017, 52% das raparigas casam antes de atingirem os 18 anos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)