Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo pede “mobilização nacional” para acabar com situações de sem-abrigo

277

O Presidente da República referiu que, além dos cerca de 3.400 casos identificados, existem 11 mil pessoas em risco, por condições habitacionais precárias.

Marcelo Rebelo de Sousa falava no final de uma reunião do Grupo Implementação, Monitorização e Avaliação da Estratégia Nacional para a Integração das Pessoas Sem-Abrigo (GIMAE), em Lisboa, com a presença das secretárias de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, e da Saúde, Raquel Duarte

Tiago Petinga/LUSA

O Presidente da República apelou esta sexta-feira a uma “mobilização nacional” para acabar com as situações de sem-abrigo, referindo que, além dos cerca de 3.400 casos identificados, existem 11 mil pessoas em risco, por condições habitacionais precárias.

“A própria dimensão das pessoas que estão em risco mostra que é necessário haver esta mobilização nacional. É uma questão que não é de resolução imediata nem fácil, mas que deve ser encarada como uma questão que pode e deve ser, na medida do possível, resolvida”, afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa falava no final de uma reunião do Grupo Implementação, Monitorização e Avaliação da Estratégia Nacional para a Integração das Pessoas Sem-Abrigo (GIMAE), em Lisboa, com a presença das secretárias de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, e da Saúde, Raquel Duarte.

“Esta reunião para que fui convidado, convite que agradeço, serviu para fazer o ponto de situação relativamente a uma estratégia nacional que é uma prioridade nacional respeitante aos sem-abrigo. Uma estratégia que foi reformulada no início desta legislatura”, enquadrou.

Questionado sobre se continua a defender como meta a erradicação das situações de sem-abrigo, o chefe de Estado respondeu que subscreve “a meta que está prevista como horizonte pela estratégia nacional definida” para o período 2017-2023, que tem como objetivo “assegurar que ninguém tenha de permanecer na rua por mais de 24 horas”.

“Daqui até 2023 o que todos desejamos é que não haja fatores externos de agravamento da situação económica com repercussão interna que possam criar problemas que, neste momento, não são visíveis. Mas, para já, a meta está definida”, acrescentou.

Marcelo Rebelo de Sousa salientou o facto de se conhecer agora “quantos são” os cidadãos sem-abrigo em Portugal, em resultado de um inquérito nacional que abrangeu todos os municípios do continente e que identificou “1.443 pessoas sem teto”, a viver na rua, em espaços públicos ou abrigos de emergência, e “1.953 pessoas sem casa”, sem solução duradoura de habitação.

O chefe de Estado referiu, contudo, que o número de casos identificados nesse inquérito, 3.396 no total, “são os que estão numa situação que já é de saída da crise e, portanto, de crescimento económico e de estabilização social”, e que se trata de “um levantamento dinâmico, que vai sendo ajustado à medida que a realidade vai mudando”.

“Como Presidente da República, eu quero reafirmar o meu apoio a esta estratégia nacional, que é para levar por diante. Agora que temos dados na mão, que se vai fazer a reavaliação do que foi feito em 2017-2018 e que se vai definir o Plano de Ação para 2019-2020, é muito importante depois levar ao conhecimento dos portugueses aquilo que vai sendo feito, para todos se sentirem mobilizados”, defendeu.

Marcelo Rebelo de Sousa pediu que não se pense que “a questão dos sem-abrigo é a questão dos outros”, contrapondo: “É a questão de todos nós”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Catarina Martins

O Bloco é de extrema-esquerda? /premium

Luís Rosa
168

O BE quer destruir o capitalismo, vê o mercado como nocivo para as relações humanas, o Estado como o único proprietário e a intolerância política como arma. Puro extremismo vestido de vermelho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)