Acidentes e Desastres

Rio afirma que acidente em Borba demonstra falência do serviço público

276

O presidente do PSD afirmou que o acidente de Borba é "bastante grave" e um caso em que o Estado falha. Rui Rio fala em "falência do serviço público".

Rui Rio defende a realização de um inquérito para apurar responsabilidades, uma vez que se trata de uma situação que considera "bastante grave"

PAULO NOVAIS/LUSA

O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou esta quinta-feira que o acidente de Borba é “bastante grave” e um caso em que o Estado falha e diz que demonstra de certa forma a falência do serviço público.

“O caso de Borba é um caso em que o Estado falha, isso é óbvio, não trata da segurança das pessoas. E quando nós hoje vemos a estrada em cima daquela fatiazinha de terreno, aquilo arrepia em qualquer circunstância. Como é que foi possível ter a estrada aberta naquelas circunstâncias?”, questionou Rui Rio que falava aos jornalistas em Castelo Branco.

Para o líder social-democrata, neste caso deve ser feito um inquérito para apurar responsabilidades, pois trata-se de uma situação que considera “bastante grave”, onde morreram pessoas.

“É bastante grave, mas demonstra isso, demonstra de certa forma, uma certa falência do serviço público. E, com isto, não estou a acusar A, B ou C. O inquérito dirá onde é que está o quadro de responsabilidades. Aquilo que me preocupa, efetivamente, é ver esta disfuncionalidade nos serviços públicos”, concluiu.

O deslizamento de um grande volume de terra na estrada 255, que provocou “a deslocação de uma quantidade muito significativa de rochas, de blocos de mármore e de terra” para o interior de pedreiras contíguas, ocorreu às 15h45 de segunda-feira. O acidente, de acordo com a Proteção Civil, provocou, pelo menos, dois mortos, além de haver três pessoas desaparecidas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)