Rádio Observador

Empresas

Centro de operações para fornecedores da Google em Lisboa já funciona como “apoio”

O centro de operações para fornecedores da Google em Oeiras abriu no verão e está a funcionar como "apoio" à atividade da tecnológica dos EUA.

A Google afirma que, "com esta abertura", está a "instalar [no país] alguns dos muitos fornecedores que dão apoio às operações da Google"

WALTER BIERI/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O centro de operações para fornecedores da Google em Oeiras, distrito de Lisboa, abriu no verão e está a funcionar como “apoio” à atividade da tecnológica norte-americana, mas a empresa não revela muitas informações sobre o espaço.

“Como anunciado pelo primeiro ministro, António Costa, em janeiro de 2018, a Google abriu no verão um novo centro de operações de fornecedores em Lisboa, totalmente dedicado a fornecedores terceiros”, informou a Google numa curta resposta escrita enviada à agência Lusa. A empresa acrescenta que, “com esta abertura”, está a “instalar [no país] alguns dos muitos fornecedores que dão apoio às operações da Google”.

A criação deste centro de inovação gerou controvérsia, desde logo por se achar que se trataria de um call center, isto é, um centro de atendimento telefónico e não tecnológico.

Em janeiro, António Costa anunciou que a multinacional norte-americana iria instalar, a partir de junho, em Oeiras, um centro de serviços, hub (centro) tecnológico, para a Europa, Médio Oriente e África, arrancando com cerca de 500 empregos qualificados.

Um mês depois, em fevereiro, a tecnológica assegurou que o espaço em Oeiras não seria um call center, mas sim um centro de operações com vários serviços, como financeiros, mostrando-se surpreendida com a discussão. “Temos call centers, mas o escritório, o centro de inovação que a Google vai abrir para a Europa, Médio Oriente e África em Lisboa não é um call center“, garantiu, na altura, o diretor de Assuntos Institucionais da Google Portugal e Espanha, Francisco Ruiz Anton.

O responsável mostrou-se admirado com a polémica gerada em torno do tipo de espaço: “Surpreende-me esta discussão porque é um centro de operações da Google. Não tem sentido essa discussão”. Em causa estava, segundo Francisco Ruiz Anton, um total de 535 postos de trabalho, para diversas áreas.

“Podem ser serviços financeiros de apoio à Google que se prestem desde aqui, como outros serviços. Falamos de todas [as vagas], depende dos serviços que prestem”, afirmou. A estimativa era de que, “se tudo corresse bem”, este centro de inovação começasse a funcionar no final de julho, estando previsto para o parque empresarial Lagoas Park, em Oeiras. No site do Lagoas Park não existe, contudo, qualquer referência à Google no diretório de empresas ali instaladas.

Em fevereiro, Francisco Ruiz Anton escusou-se a apontar valores de investimentos, mas sustentou que “o maior investimento” se relacionava com os empregos a criar, num tipo de centro “onde é possível crescer” na carreira. “É uma grande notícia para este país e uma grande prova da confiança da Google”, notou.

Falando sobre os motivos que levaram a empresa a querer instalar-se em Portugal, o responsável recusou que tenha sido pelos custos laborais. A empresa escolheu Portugal por ser “um país que está a apostar no setor tecnológico, no empreendedorismo e nas startup [empresas com potencial de crescimento]”, adiantou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)