Professores

BE aceita que Governo descongele já dois anos aos professores, mas quer mais

145

Marcelo perguntou à comitiva do BE o que pensava do descongelamento de carreiras dos professores. Catarina Martins insistiu: Governo tem de devolver todo o tempo congelado, mesmo que o faça por fases.

TIAGO PETINGA/LUSA

O braço de ferro entre o governo e os professores continua, e foi um dos temas abordados na audiência da comitiva do Bloco de Esquerda em Belém. Questionada pelos jornalistas sobre se a questão tinha sido abordada por Marcelo Rebelo de Sousa, Catarina Martins admitiu que o Presidente lhes “perguntou a opinião”. E a opinião do Bloco é clara: tempo de carreira que foi congelado deve ser contabilizado na íntegra, sendo que o Governo até pode fazer a devolução relativa aos dois anos já em 2019, como prevê no decreto-lei, desde que continue nos anos seguintes a devolução do remanescente. “Uma coisa não contradiz a outra”, disse a coordenadora bloquista.

“Descongelar dois anos em 2019 [como o governo prevê] não é contraditório com o que foi aprovado [no Orçamento do Estado], tem é de haver o compromisso de continuar o resto da devolução nos anos seguintes até completar todo o tempo de serviço”, afirmou Catarina Martins, referindo-se ao total de nove anos, quatro meses e dois dias que os professores reivindicam para efeitos de descongelamento de carreira. Para o BE, a devolução deve começar já em 2019 como o governo prevê mas deve continuar, tal como está a acontecer na Madeira e Açores, de forma faseada ao longo de seis ou sete anos, e o mesmo deve acontecer não só aos professores como “a todas as outras carreiras” especiais da Administração Pública, que se encontram na mesma situação.

Do nosso ponto de vista, o que teria sentido era o Governo avançar já em 2019 com a parte de descongelamento que já tinha prevista. O que não pode é encerrar este descongelamento só com dois anos, uma vez que ficam a faltar os outros sete, mas aí poderá ser feito nos anos seguintes em negociação com os sindicatos”, insistiu Catarina Martins em Belém.

Esta quarta-feira, contudo, o Governo voltou a reunir-se com os sindicatos dos professores, e saiu da reunião com um entendimento diferente. De acordo com a secretária de Estado adjunta da Educação, Alexandra Leitão, o Governo continua a não estar obrigado pelo parlamento a recuperar o tempo integral, mesmo depois de, no âmbito das negociações do OE 2019, os partidos da esquerda à direita terem feito aprovar uma norma que obrigava o governo a reatar as negociações. “O que diz a norma é que somos obrigados a retomar a negociação. Havia outra norma que dizia que tínhamos de negociar com base na recuperação integral e essa norma foi rejeitada“, sublinhou Alexandra Leitão, referindo-se às normas propostas pelo BE e PCP que pediam claramente para a devolução do tempo integral ser feita de forma faseada.

A norma que foi aprovada acabou por ser a do PSD, que se limitava a replicar a de 2018, obrigando o Governo a negociar com os professores. No entender dos partidos, essa norma já aponta para a recuperação integral do tempo de serviço, mas no entender do Governo não.

“O Presidente da República perguntou a nossa opinião e a opinião do Bloco é clara: já vamos no segundo Orçamento que diz expressamente que haverá um descongelamento tendo em conta o tempo do serviço, e não uma parte, e que essa expressão remuneratória pode ser faseada de acordo com a negociação”, disse Catarina Martins no final da reunião, ao lado de Mariana Mortágua e José Manuel Pureza.

Decreto do Governo “não contradiz” o que foi aprovado no OE

Questionada sobre se o decreto do Governo não poderá vir a contradizer o que foi aprovado pelo parlamento, no âmbito do OE, Catarina Martins considerou que não terá de o ser. “Descongelar em 2019 dois anos não é contraditório com o que foi aprovado, só é contraditório se se disser que depois não se descongela mais nada”, alertou.

Instada a esclarecer se o Bloco poderá chamar a apreciação parlamentar um futuro decreto (que ainda não foi aprovado e terá ainda de passar pelo crivo de Belém), Catarina Martins lembrou que este instrumento parlamentar “não tem como única finalidade chumbar decretos, é também sempre possível fazer alterações”.

“Não há nenhum problema em que sejam descongelados dois anos, desde que se assuma que esse não é um processo que fica fechado”, afirmou, acrescentando que essa foi a solução adotada nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores e que “seria bizarro” que se criasse outra fórmula no Continente.

O Governo anunciou que não levaria esta quinta-feira a Conselho de Ministros o seu decreto que recupera parcialmente o tempo de serviço dos professores e que só legislará esgotado um prazo de cinco dias para os sindicatos pedirem uma reunião suplementar.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)