Rádio Observador

Ministério da Defesa

Missão dos militares portugueses na RCA “é a mais difícil” de todas, diz Chefe do Estado-Maior

1.393

Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas afirmou que a missão dos militares portugueses na República Centro-Africana "é a mais difícil" de todas e admitiu "preocupação".

TIAGO PETINGA/LUSA

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, (CEMGFA), almirante Silva Ribeiro, afirmou hoje que a missão dos militares portugueses na República Centro-Africana “é a mais difícil” e causa “preocupação”, mas também “grande satisfação” pela capacidade operacional no terreno.

“Causa-me preocupação mas também grande satisfação porque de facto é a missão mais difícil que nós temos hoje em dia no quadro das FND [Forças Nacionais Destacadas], uma missão que com alguma regularidade tem operações de combate com bastante intensidade”, descreveu.

O almirante Silva Ribeiro falava à agência Lusa durante uma visita ao aquartelamento M`Poko, Bangui, capital da RCA, onde estão sediados os 159 militares portugueses que integram a missão militar da ONU [MINUSCA], na maioria paraquedistas.

Silva Ribeiro, e o chefe do Estado-Maior do Exército, general Nunes da Fonseca, e o ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, contactaram hoje com os militares portugueses que vão iniciar nos próximos dias uma operação em Bambari, uma das cidades mais problemáticas, a 300 quilómetros da capital, uma distância que demora dois ou três dias a percorrer por estrada de terra batida.

Admitindo “motivos de preocupação” porque a missão “tem risco”, o CEMGFA recordou que há um mês, também em Bambari, a força de reação rápida portuguesa enfrentou “num dos dias uma operação de sete horas onde houve combates”.

O almirante Silva Ribeiro frisou que o motivo da presença dos militares portugueses “é protegerem as populações indefesas dos grupos armados e dos grupos criminosos que atuam num país sacrificado”.

“Nenhum conflito se resolve só por efeito da força militar, que existe para dar tempo e oportunidade às negociações políticas”, frisou, dizendo que as autoridades da RCA “reconhecem amplamente” o esforço português.

No aquartelamento de M´Poko, o ministro da Defesa Nacional e chefes militares almoçaram com os soldados portugueses, entregando relógios como presente de Natal. Durante o convívio, o ministro saudou a “resiliência e a resistência” dos militares, reconhecendo que a missão na RCA motiva uma “preocupação constante” e também “um grande sentimento de responsabilidade” face a “uma operação que não é fácil e tem riscos”.

“A vossa resistência tem estado à prova”, disse, enaltecendo a “resiliência e a resistência” dos soldados e manifestando a “gratidão” do Governo português.

Para além da missão do 4.º contingente português na missão da ONU, o ministro da Defesa e chefes militares estiveram com os militares na missão da União Europeia, de treino e aconselhamento às Forças Armadas da RCA [FACA], comandada pelo general do Exército Hermínio Maio, que vai cumprir um segundo mandato, até julho de 2019.

Segundo dados fornecidos à Lusa, a missão da União Europeia já formou, em dois anos, 3400 militares das FACA, que terão entre 7000 a 8000 militares no total. O conflito na RCA, com o tamanho da França e uma população que é menos de metade da portuguesa (4,6 milhões), já provocou centenas de milhares de mortos entre os civis, 700 mil deslocados e 570 mil refugiados, e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária.

Desde 2013 que a RCA enfrenta sucessivos casos de violência protagonizados por milícias muçulmanas, partidárias dos rebeldes dos Seleka e cristãos denominados anti-Balaka, que causaram milhares de mortos.

O governo do Presidente, Faustin-Archange Touadéra, um antigo primeiro-ministro que venceu as presidenciais de 2016, controla cerca de um quinto do território.

O resto é dividido por 18 milícias que, na sua maioria, procuram obter dinheiro através de raptos, extorsão, bloqueio de vias de comunicação, recursos minerais (diamantes e ouro, entre outros), roubo de gado e abate de elefantes para venda de marfim.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)