Rádio Observador

Aston Martin

Brutal. Veja como é o motor atmosférico mais potente do mundo

286

A Aston Martin desvenda o V12 de 6,5 litros, cujos 1.014 cv vão fazer voar o Valkyrie. Os números são impressionantes: pesa 206 kg, atinge 11.000 rpm e oferece uma potência específica de 156 cv/litro.

Há muito que se fala do Aston Martin Valkyrie, um modelo que nasce da colaboração da marca britânica com a Red Bull Racing e que promete colocar a circular na via pública não só o mais rápido, como também o mais eficaz superdesportivo do mercado. Porém, são poucos os que terão esse privilégio, já que a produção estará limitada a 150 unidades, cada uma a custar à volta de 2,8 milhões de euros.

À medida que se aproxima a altura de começar a fazer a entrega das primeiras unidades aos clientes, o que está previsto acontecer já no próximo ano, o construtor de Gaydon vai revelando os segredos que fazem do Valkyrie uma proposta sem rival, pelo menos até surgir o Mercedes-AMG One. Primeiro, os homens do marketing puseram-nos a ouvir a sonoridade do motor e, agora, entenderam por bem mostrar até que ponto o V12 a 65º de 6,5 litros, desenvolvido pela Cosworth é “a expressão máxima do motor de combustão interna”.

Oferecendo a colossal potência de 1.014 cv (1.000 bhp) às 10.500 rpm, antes de atingir o pico máximo de rotação (11.000 rpm), e um binário máximo de 740 Nm a um regime de 7.000 rpm, estamos perante uma espécie de obra de arte, na essência um motor de competição preparado para circular em estrada. Que passa a ser, simultaneamente, o bloco atmosférico mais potente do mundo, oferecendo uma potência específica de 156 cv/litro.  Como se isto não bastasse, pesa apenas 206 kg, valor alcançado graças ao recurso a materiais extremamente leves em diversos componentes. As bielas, por exemplo, são em titânio.

De acordo com a Aston Martin, as cifras agora anunciadas dizem apenas respeito ao motor naturalmente aspirado, com a marca a prometer desvendar lá mais para a frente as especificações do sistema Kers que o apoia, similar aos que também recorrem os Fórmula 1 e cujo desenvolvimento foi entregue à Rimac. Curiosamente, os dados não batem certo com aquilo que a Cosworth deixou escapar há tempos, o que nos coloca a seguinte dúvida: será que os 1.146 cv (1.130 hp) de que falava a Cosworth destinam-se a uma versão (mais especial) do Valkyrie ou a versão de produção sofreu um corte de potência na recta final do programa de desenvolvimento?

Outra das dúvidas prende-se com a longevidade do 12 cilindros, pois ainda nada foi dito a esse respeito. É que, também aí, a Aston Martin pode (ou não) fazer a diferença face ao One, cuja necessidade de reconstruir o motor ao fim de apenas 50.000 km acaba por, de certa forma, retirar algum brilhantismo às prestações do superdesportivo da Mercedes-AMG.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)