IGF

Cruz Vermelha confirma auditoria da IGF, mas diz que não teve oportunidade de “repor a verdade”

Instituição confirma auditoria da Inspeção-Geral de Finanças em 2016, antes de Francisco George assumir direção, mas assegura que não teve oportunidade de repor verdade e dar explicações.

Os factos visados na auditoria da Inspeção-Geral de Finanças são anteriores à chegada de Francisco George à liderança da Cruz Vermelha

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A Cruz Vermelha Portuguesa confirma que foi alvo de uma auditoria por parte da Inspeção-Geral das Finanças (IGF) em 2016, mas assegura que não recebeu o relatório final, não tendo por isso oportunidade de fazer o contraditório.

Num comunicado divulgado esta quarta-feira, na sequência das buscas efetuadas na véspera pelo Ministério Público e Polícia Judiciária, a Cruz Vermelha sublinha que se tivesse tido acesso ao contraditório, “como a lei determina, teria havido oportunidade em repor a verdade e apresentar explicações, como por exemplo o fantasioso depósito bancário citado ou a razão pela qual a comunicação à Plataforma da Presidência do Conselho de Ministros não foi realizada”.

Apesar de os factos referidos serem da responsabilidade de anteriores direções, o atual presidente, Francisco George, que até ao ano passado foi diretor-geral da Saúde, insiste “na importância em tudo clarificar, apurar responsabilidades e intensificar todos os dispositivos de transparência de forma a assegurar a manutenção da confiança na Cruz Vermelha Portuguesa.”

Em causa estão as conclusões de uma auditoria realizada pela IGF em 2016 à Cruz Vermelha, mas que não chegou a ser dada como concluída pelas chefias da Inspeção-Geral de Finanças. Alguns quadros da IGF, nomeadamente o Inspetor-Geral Vítor Braz, têm sido visados em denúncias de favorecimento e alegada ocultação de práticas de má-gestão nos relatórios elaborados por esta instituição que tem como missão fiscalizar e controlar a despesa do Estado.

A Procuradoria Geral Distrital de Lisboa adiantou que estão em investigação indícios da prática de atos ilícitos em concurso e ações de fiscalização que lesaram gravemente o Estado nos seus interesses financeiros e que terão tido “como contrapartidas benefícios individuais dos visados”.

A auditoria à Cruz Vermelha, na qual são apontadas graves deficiências no modelo de organização e na gestão dos recursos financeiros, bem como ao nível de prestação de contas, é um dos exemplos que tem vindo a alimentar publicamente estas suspeitas, sobretudo porque este relatório terá ficado na gaveta, sem chegar ao Ministério das Finanças, noticiou o programa Sexta às 9 da RTP, que divulgou o documento. Já o jornal Público acrescenta que a auditoria também não foi enviada logo ao Tribunal de Contas como recomendavam os seus autores, tendo apenas chegado recentemente a este órgão de controlo externo do Estado.

O esclarecimento da Cruz Vermelha surge depois de a IGF ter reagido às suspeitas, congratulando-se pelas diligências da autoridades judiciais, mas afirmando-se vítima de “denúncias caluniosas” de origem interna.

Já o Ministério das Finanças que tutela a IGF tem-se mantido em silêncio sobre este caso e as suas eventuais implicações para a principal entidade de fiscalização do Estado. Na terça-feira, Mário Centeno admitiu que o seu gabinete não tinha sido informado sobre a ação das forças de justiça, dizendo que o Ministério estava a acompanhar. O Observador confirmou entretanto que o Ministério das Finanças remeteu ao Ministério Público um pedido de esclarecimento sobre o ponto da situação das investigações que visam altos quadros do Estado. Uma das questões mais importantes é a de perceber se serão constituídos arguidos nestes inquérito e que consequências poderá ter esse eventual desenvolvimento para as funções que desempenham.

Para já, fonte oficial da Procuradoria-Geral da República (PGR) confirma que não foram constituídos arguidos nesta investigação que está a ser conduzida pelo DIAP (Departamento de Investigação e Ação Penal) de Lisboa.

Em comunicado, a Procuradoria Distrital de Lisboa confirmou a realização de buscas “destinadas à recolha de elementos de prova relativos à prática dos crimes de corrupção passiva, peculato e abuso de poder imputáveis, indiciariamente, a altos responsáveis de serviços centrais da Administração Pública do Estado”.

Em causa está o “apuramento de responsabilidades individuais de dirigentes da administração pública da área de serviços com a missão designadamente do controlo financeiro e fiscal do Estado, da área ministerial, incluindo uma Instituição humanitária de utilidade pública e uma empresa privada – tendo em conta os indícios da prática de atos ilícitos em procedimentos concursais, em ações de fiscalização que lesaram gravemente o Estado nos seus interesses financeiros -, tendo como contrapartidas benefícios individuais dos visados”.

Na operação intervieram 50 inspetores da PJ, peritos informáticos e financeiros da PJ, 6 magistrados do MP e 4 auditores.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Professores

A Justiça e os Professores

Arnaldo Santos

Justiça é dar a cada um aquilo que é seu e cada professor deu o seu trabalho no tempo de congelamento na expetativa de ter a respetiva retribuição relativa à progressão na carreira: o que é seu é seu.

IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)