França

Nascido em Estrasburgo, ladrão e sinalizado como perigoso. O que se sabe do suspeito do ataque a tiro

231

Cherif Chekatt é o suspeito do ataque que causou 3 mortos e 13 feridos em Estrasburgo. Natural de cidade francesa, era conhecido da polícia. Estava sinalizado como perigoso e quase foi detido antes.

Chérif Chekatt, de 29 anos e de nacionalidade francesa, é neste momento o homem mais procurado de França

via Twitter

Poucas horas depois do ataque a tiro que provocou pelo menos três mortos e 13 feridos – um dos quais está em morte cerebral-, a imprensa francesa já avançava com a identidade do presumível atacante que as forças policiais perseguiram pela cidade de Estrasburgo. Chama-se Cherif Chekatt, nasceu a 24 de fevereiro de 1989, tem nacionalidade francesa e já estaria a ser vigiado pelas autoridades, a quem conseguiu escapar ainda esta manhã.

O suspeito de 29 anos mede cerca de 1,80m, estava vestido com um casaco preto e terá sido ferido pelas autoridades antes de escapar logo a seguir ao tiroteio. Cherif Chekatt era conhecido “de vista” no bairro onde vivia, na periferia de Estrasburgo. O homem morava num pequeno apartamento num edifício de oito andares, o mais alto do bairro, onde a maioria das casas estavam fechadas a sete chaves esta quarta-feira.  Os vizinhos traçam um perfil de um homem “solitário”, de poucas palavras e que “não se misturava muito com a vizinhança”. No mesmo bairro, viviam os pais, de origem marroquina, e dois dos seus irmãos.

Na manhã do ataque deveria ter sido interrogado, e eventualmente detido, pela polícia numa investigação sobre uma tentativa de homicídio. Mas não estava em casa onde as autoridades encontraram granadas. Na mesma ação, as autoridades interrogaram e detiveram os seus cúmplices. A imagem de Cherif Chekatt começou a circular nas redes sociais e uma fonte policial confirmou a um órgão francês que era uma fotografia do suspeito.

Natural de Koenigshoffen, pertencente ao distrito de Estrasburgo, Cherif Chekatt era bem conhecido da polícia, sobretudo por crimes comuns, nomeadamente assaltos a bancos. Mas estava também sinalizado pelas autoridades desde 2015 e identificado como “fiché S” pela Direção-Geral de Segurança Interna (DGSI) devido à sua alegada radicalização.

Chekatt tinha cadastro em França, Alemanha e Suíça por crimes de delito comum, como roubo e assaltos, e cumpriu penas. Em 2011 foi condenado a dois anos de prisão por ataque com arma, mas acabou por só cumprir seis meses. O jornal local Dernière Nouvelles d’Alsace adianta que Chérif Chekatt terá agredido um jovem de 16 anos com um vidro de uma garrafa durante uma rixa num centro comercial des Halles, em Estrasburgo.

Segundo a ministra da justiça francesa,  Nicole Belloubet, Chekatt “cumpriu em França duas penas de prisão de dois anos cada uma.” Um tribunal de Basileia (Suiça) condenou igualmente Chekatt a um ano e meio de prisão por assaltos, segundo o jornal alemão Die Welt.  As autoridades alemãs de Baden-Wurtemberg também confirmaram à agência France Press, citada pelo El País, que Chekatt foi condenado a “dois anos e três meses de prisão em 2016 por assaltos”.  Solteiro e sem filhos, e confessou à polícia alemã que acumulava dívidas, mas que não precisou quais. Depois de ter cumprido pena na Alemanha foi extraditado para França.

Apesar de ter sido registado como radicalizado, ainda não há certezas sobre o motivo do ataque e sobre se existe uma motivação terrorista, não obstante as autoridades terem admitido este cenário logo no início das investigações. A existir essa ligação, não seria a primeira vez que um criminoso comum evoluía no sentido da radicalização que culminou com a realização de atos terroristas.

Há já alguns apoiantes do Estado Islâmico, identificados pelo site Intelligence — um site especializado na vigilância de redes sociais jihadistas — , a reivindicar o ataque. Contudo, o grupo extremista não fez ainda qualquer declaração oficial. Rita Kats, diretora-geral do Intelligence, acredita que o Estado Islâmico possa vir a fazê-lo.

(Artigo atualizado com o número de mortos e feridos)

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)