O poder de compra em Portugal fixou-se em 76,6% da média da União Europeia em 2017, abaixo do ano anterior (77,2%), ocupando o 16º. lugar entre os países da zona euro, divulgou esta quinta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com o INE, o Produto Interno Bruto (PIB) per capita expresso em Paridades de Poder de Compra (PPC) no ano passado foi inferior em 0,8 pontos percentuais ao verificado em 2016. Entre os 37 países analisados, o INE destaca que a dispersão é “muito significativa”, entre o Luxemburgo (com 253% da média da UE), que apresenta o maior índice de volume, ou seja, mais de duas vezes e meia acima da média da UE28, e cerca de cinco vezes maior que o da Bulgária (com 49,3%), o país da UE com o valor mais baixo. Em último lugar da lista surge a Albânia, com 30,5%, um dos países que também consta da análise.

Considerando apenas os 19 Estados-membros que integram a zona euro, Portugal ocupava em 2017 a 16.ª posição, abaixo da Estónia (78,8%), da Lituânia (78,4%) e à frente da Eslováquia (76,2%), Grécia (67,2%) e Letónia (66,8%). Em termos nominais, o PIB per capita de Portugal em 2017 apresentou um crescimento positivo (4,6%), determinado pelo aumento nominal do PIB (4,6%) e pela diminuição da população (-0,24%).

O que significa que o poder de compra dos portugueses está pior que antes da crise. Em 2009, o PIB per capita considerando paridade dos poderes de compra em Portugal atingia 82,1% da média da União Europeia. Depois, recuou até aos 75% da média da UE em 2012

Relativamente à despesa de consumo individual per capita (DCIpc), que o INE refere como sendo um indicador mais apropriado para refletir o bem-estar das famílias, o posicionamento relativo de Portugal é superior à indicada pelo PIB per capita no conjunto dos países considerados, ocupando a 13.ª posição entre os países da zona euro. Entre 2016 e 2017, a DCIpc medida em paridades de poder de compra fixou-se em 82,2% da média da UE, mantendo-se praticamente ao mesmo nível de 2016.

O INE adverte que estes resultados “devem ser analisados com prudência, particularmente em termos de evolução temporal, uma vez que ao longo do tempo verificam-se alterações de diferente natureza, nomeadamente ao nível da seleção do cabaz comum de bens e serviços em comparação, dos métodos e fontes dos preços utilizados no exercício PPC e da substituição de valores preliminares por definitivos da contabilidade nacional”.