Marcelo Rebelo de Sousa

Fotogaleria. Os novos sem-abrigo foram despejados e Marcelo almoçou com eles

1.151

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, descobriu uma nova realidade entre os sem-abrigo: pessoas que são despejadas porque não conseguem pagar a renda. E pediu a atenção dos partidos.

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

Autores
  • Diogo Ventura
  • Agência Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, alertou este domingo para o “aparecimento de novos sem-abrigo” devido ao problema dos despejos nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, e pediu “vontade política” para acabar com este problema.

“Acho que há mudanças. Há caras que via e que já têm habitação e recomeçaram a sua vida […] e depois há novas caras. E as novas caras que tenho encontrado nos sem-abrigo tem a ver com problema que é o problema dos despejos”, disse o chefe de Estado.

Falando aos jornalistas na Pontinha, Odivelas, à margem de um almoço solidário de Natal, Marcelo Rebelo de Sousa notou que, apesar de normalmente haver mais sem-abrigo homens do que mulheres, tem conhecido “casos de sem-abrigo mulheres e não apenas homens que acabaram de ser despejadas e são pessoas com idade”. “Aumentou a renda e não conseguiram acompanhar esse aumento”, justificou, referindo que em causa está o “problema da habitação nas áreas metropolitanas, onde o preço da habitação subiu e onde o número de despejos aumentou”.

A seu ver, “é uma realidade que tem de ser acompanhada”. Porém, o Presidente da República notou que isso “depende da vontade política”. “É preciso que não só este Governo, [cujo mandato] está a acabar, como o próximo Governo, seja qual for, continue com a mesma vontade e com mais meios”, vincou Marcelo Rebelo de Sousa.

Ao mesmo tempo, “é preciso que a situação económica não piore”, já que “se a situação económica desacelerar, basta desacelerar no mundo, na Europa e em Portugal, aumenta imediatamente o número de sem-abrigo”, defendeu. O almoço solidário, que decorreu nas instalações do Metropolitano de Lisboa, na Pontinha, foi servido aos utentes do Centro de Apoio ao Sem-Abrigo (CASA).

Referindo que conhece de perto o trabalho desta e de outras instituições, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que “está difícil a realização dos circuitos [de apoio] porque os sem-abrigo estão permanentemente a mudar de localização e de município”.

“Mesmo muito próximo de Belém, eu pude já verificar o aparecimento de novos sem-abrigo, que se encontram na fronteira entre dois municípios, Lisboa e Oeiras. Isto é um novo desafio complicado porque os circuitos que estão feitos são desafios que não preveem muitas vezes esta mobilidade”, assinalou o chefe de Estado.

E reforçou: “Estar em cima desta realidade social é muito importante porque esta realidade social, infelizmente, continua a dominar a vida na Grande Lisboa e no Grande Porto e temos de intervir sobre ela”.

Marcelo Rebelo de Sousa tem vindo a participar, enquanto voluntário, em almoços e jantares solidários de instituições de solidariedade e assim vai continuar durante a época natalícia.

(Texto editado por Sónia Simões)

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

Enfermeiros: Presidente traiu o dever de isenção 

Humberto Domingues
2.817

O Presidente da República traiu o seu dever da isenção, num programa de televisão, qualificando algumas questões profundas, com um discurso pobre, superficial, tendencioso, daninho e danoso.

PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)