António Costa

Este período tem como marca a “normalidade institucional” incluindo na justiça

941

António Costa considerou que esta legislatura e o mandato de Marcelo Rebelo de Sousa têm como marca a "normalidade institucional", bem como, a autonomia do autonomia do MP e o combate à corrupção.

O primeiro-ministro, António Costa, falava numa sessão de apresentação de cumprimentos de boas festas por parte do Governo ao Presidente da República

TIAGO PETINGA/LUSA

O primeiro-ministro defendeu esta quinta-feira que esta legislatura e o mandato do Presidente da República têm como marca a “normalidade institucional” nas relações entre órgãos do Estado, incluindo com a justiça, que considerou um fator de confiança fundamental.

“Tem sido assim também com o poder judicial, com uma garantia escrupulosa do poder dos tribunais, da autonomia do Ministério Público, que são condições fundamentais do primado do Estado de direito, da responsabilidade do Estado e também do combate à corrupção”, afirmou António Costa.

O primeiro-ministro, que falava numa sessão de apresentação de cumprimentos de boas festas por parte do Governo ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na Sala dos Embaixadores do Palácio de Belém, em Lisboa, manifestou “a confiança de que em 2019 essa normalidade institucional prosseguirá”.

Em seguida, o Presidente da República concordou que “o relacionamento institucional não pára na relação entre órgãos como o Presidente da República e o Governo, alarga-se a outros órgãos do poder político do Estado previstos na Constituição, a outros órgãos de soberania, como a Assembleia da República e como os tribunais”.

Marcelo Rebelo de Sousa salientou que “os tribunais são órgãos de soberania e os seus titulares são titulares de órgãos de soberania”, depois referiu-se ainda aos “órgãos das regiões autónomas dos Açores e da Madeira”, e observou: “É muito importante que, também nesse plano, a estabilidade institucional seja um facto e seja assumida pelos portugueses”.

Na sua intervenção, António Costa começou por dizer que esta cerimónia de apresentação de cumprimentos de boas festas do Governo ao Presidente da República “é a tradução da saudável relação institucional que existe entre órgãos de soberania”.

“Uma das marcas desta legislatura e do mandato de vossa excelência tem sido, aliás, precisamente, a normalidade do funcionamento institucional do Estado”, defendeu.

Segundo o primeiro-ministro, “é assim com a Assembleia da República, que felizmente tem assegurado estabilidade política, sem prejuízo de exercer a fiscalização que lhe compete da ação política do Governo” e também “tem sido assim com as duas regiões autónomas e com o poder local democrático”, bem como “com o poder judicial”.

“E, naturalmente, tem sido assim também na relação entre o Governo e Presidente da República, respeitando cada um o seu papel – o Governo como responsável pela ação política, o Presidente da República como garantia da representação do Estado, da unidade do Estado e o elo afetivo da comunidade nacional que o senhor Presidente tão bem tem sabido manter”, prosseguiu.

De acordo com António Costa, esta “esta normalidade institucional” tem sido “essencial na concertação da ação de política externa, na convergência na política de defesa e na comunhão quanto aos grandes desígnios nacionais”.

“É um fator de credibilidade externa do país, é um fator de confiança dos portugueses nas instituições, de confiança dos agentes económicos na economia. E num mundo e numa Europa tão marcados pela incerteza, é bom que haja este exemplo de certeza, de estabilidade, de confiança e de normalidade no funcionamento das instituições”, considerou.

Desejando feliz Natal e bom ano novo ao Presidente da República, o primeiro-ministro concluiu: “Não querendo ser otimista, não quero deixar de ser confiante e, portanto, ter a confiança de que em 2019 essa normalidade institucional prosseguirá, como assim tem sido em 2016, em 2017 e neste ano que agora finda de 2018”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Portugal atrasado, Portugal adiado

Tiago Sousa Dias
487

O que sabemos é que há polícias a dormir em carros porque não têm dinheiro para pagar a renda de casa nos nossas cidades. O que sabemos é que há enfermeiros com as vidas congeladas e salários indignos

Governo

Mais uma remodelação… /premium

Manuel Villaverde Cabral

Com o amontoado de problemas social e financeiramente relevantes por resolver, como a saúde e a instrução públicas, ou as reformas e pensões, não serão as eleições europeias que farão muita diferença.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)