António Costa

Este período tem como marca a “normalidade institucional” incluindo na justiça

941

António Costa considerou que esta legislatura e o mandato de Marcelo Rebelo de Sousa têm como marca a "normalidade institucional", bem como, a autonomia do autonomia do MP e o combate à corrupção.

O primeiro-ministro, António Costa, falava numa sessão de apresentação de cumprimentos de boas festas por parte do Governo ao Presidente da República

TIAGO PETINGA/LUSA

O primeiro-ministro defendeu esta quinta-feira que esta legislatura e o mandato do Presidente da República têm como marca a “normalidade institucional” nas relações entre órgãos do Estado, incluindo com a justiça, que considerou um fator de confiança fundamental.

“Tem sido assim também com o poder judicial, com uma garantia escrupulosa do poder dos tribunais, da autonomia do Ministério Público, que são condições fundamentais do primado do Estado de direito, da responsabilidade do Estado e também do combate à corrupção”, afirmou António Costa.

O primeiro-ministro, que falava numa sessão de apresentação de cumprimentos de boas festas por parte do Governo ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na Sala dos Embaixadores do Palácio de Belém, em Lisboa, manifestou “a confiança de que em 2019 essa normalidade institucional prosseguirá”.

Em seguida, o Presidente da República concordou que “o relacionamento institucional não pára na relação entre órgãos como o Presidente da República e o Governo, alarga-se a outros órgãos do poder político do Estado previstos na Constituição, a outros órgãos de soberania, como a Assembleia da República e como os tribunais”.

Marcelo Rebelo de Sousa salientou que “os tribunais são órgãos de soberania e os seus titulares são titulares de órgãos de soberania”, depois referiu-se ainda aos “órgãos das regiões autónomas dos Açores e da Madeira”, e observou: “É muito importante que, também nesse plano, a estabilidade institucional seja um facto e seja assumida pelos portugueses”.

Na sua intervenção, António Costa começou por dizer que esta cerimónia de apresentação de cumprimentos de boas festas do Governo ao Presidente da República “é a tradução da saudável relação institucional que existe entre órgãos de soberania”.

“Uma das marcas desta legislatura e do mandato de vossa excelência tem sido, aliás, precisamente, a normalidade do funcionamento institucional do Estado”, defendeu.

Segundo o primeiro-ministro, “é assim com a Assembleia da República, que felizmente tem assegurado estabilidade política, sem prejuízo de exercer a fiscalização que lhe compete da ação política do Governo” e também “tem sido assim com as duas regiões autónomas e com o poder local democrático”, bem como “com o poder judicial”.

“E, naturalmente, tem sido assim também na relação entre o Governo e Presidente da República, respeitando cada um o seu papel – o Governo como responsável pela ação política, o Presidente da República como garantia da representação do Estado, da unidade do Estado e o elo afetivo da comunidade nacional que o senhor Presidente tão bem tem sabido manter”, prosseguiu.

De acordo com António Costa, esta “esta normalidade institucional” tem sido “essencial na concertação da ação de política externa, na convergência na política de defesa e na comunhão quanto aos grandes desígnios nacionais”.

“É um fator de credibilidade externa do país, é um fator de confiança dos portugueses nas instituições, de confiança dos agentes económicos na economia. E num mundo e numa Europa tão marcados pela incerteza, é bom que haja este exemplo de certeza, de estabilidade, de confiança e de normalidade no funcionamento das instituições”, considerou.

Desejando feliz Natal e bom ano novo ao Presidente da República, o primeiro-ministro concluiu: “Não querendo ser otimista, não quero deixar de ser confiante e, portanto, ter a confiança de que em 2019 essa normalidade institucional prosseguirá, como assim tem sido em 2016, em 2017 e neste ano que agora finda de 2018”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)