Estados Unidos da América

Mais de 800 mil funcionários afetados por paralisação parcial de serviços nos Estados Unidos

Espera-se que cerca de 380 mil pessoas sejam colocadas no desemprego técnico, incluindo 95% dos funcionários da NASA e do Ministério da Habitação, bem como 52 mil funcionários dos serviços fiscais.

ERIK S. LESSER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de 800 mil funcionários federais serão afetados, num total de 2,1 milhões, pela paralisação de serviços da administração norte-americana, depois da Casa dos Representantes, Senado e Casa Branca terem falhado um consenso sobre o orçamento.

Espera-se que cerca de 380 mil pessoas sejam colocadas no desemprego técnico, incluindo 95% dos funcionários da NASA e do Ministério da Habitação, bem como 52 mil funcionários dos serviços fiscais, uma ‘contabilidade’ realizada pelos democratas, que mantêm um ‘braço de ferro’ com o Presidente dos Estados Unidos sobre o financiamento do muro prometido por Donald Trump na campanha eleitoral e que está a inviabilizar um acordo com os republicanos.

Quase 420 mil funcionários do Governo que trabalham em serviços considerados essenciais, terão que trabalhar sem serem pagos imediatamente, segundo os democratas: 150 mil funcionários do Ministério da Segurança Interna, de que depende a polícia de fronteira e transporte, e mais de 40 mil elementos das forças de segurança, como a polícia federal (FBI), a agência antidrogas (DEA) e a administração penitenciária.

Se cerca de 75% dos departamentos federais têm orçamentos aprovados para vários meses e não são terão um impacto imediato deste impasse, já os principais departamentos serão afetados, incluindo os de Segurança Interna, Justiça, Comércio, Transporte, Habitação, Tesouro e do Interior, que administra os parques nacionais muito visitados durante o período das férias, como é o caso do Grand Canyon.

Tendo por base a paralisação parcial de janeiro de 2018, também motivada por um desentendimento entre republicanos e democratas sobre a política de migração, a maioria dos parques deve permanecer aberta apesar da demissão técnica de 80% dos funcionários do Serviço Nacional de Parques que se deve traduzir no encerramento de muitos serviços de apoio aos visitantes, como lojas, restaurantes e sanitários.

A Estátua da Liberdade pode ficar inacessível: esteve fechada dois dias em janeiro, antes de o estado de Nova Iorque ter decido avançar para a sua reabertura, financiando o seu funcionamento com fundos estatais, com despesas na ordem dos 65 mil por dia. Já os principais museus do Smithsonian, em Washington, indicaram que podem ficar abertos até 01 de janeiro.

Alguns dos serviços do Governo federal dos EUA deixaram hoje de ter financiamento e enfrentam uma paralisação parcial devido à falta de entendimento entre a Câmara dos Representantes, Senado e o Presidente norte-americano, Donald Trump.

Na ausência de acordo, ambas as câmaras do Congresso norte-americano deram por concluídos os trabalhos na noite de sexta-feira e voltaram a convocar os congressistas para uma nova sessão agendada para hoje ao meio-dia (17:00 em Lisboa), já em plena paralisação.

O Presidente dos Estados Unidos olha para estas negociações como a sua última oportunidade para obter fundos para a construção do muro na fronteira no sul do país, uma vez que em janeiro os democratas passam a controlar a Câmara dos Representantes (como resultado do último ato eleitoral de novembro).

Donald Trump considera esta obra essencial para assegurar a proteção da fronteira com o México, contra imigrantes ilegais e o tráfico de droga.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)