Rádio Observador

Estranha Natureza

Os pénis das fêmeas das cavernas apareceram mais do que uma vez

Ter pénis em fêmeas não é caso único, mas é no mínimo invulgar. Mas mais invulgar é que, em duas espécies de insetos aparentadas, os órgãos surgiram duas vezes de forma independente.

A fêmea coloca-se em cima do macho durante o acasalamento

Yoshizawa et al. Biology Letters, Nov. 21, 2018

Se é suficientemente estranho (e raro) encontrar espécies em que as fêmeas têm pénis e os machos apenas vaginas, ainda mais surpreendente é perceber que estes pénis evoluíram de forma independente em dois grupos de insetos das cavernas aparentados —os Neotrogla da América do Sul e os Afrotogla do sul da África. Os resultados foram publicados na revista científica Biology Letters.

O alimento nas cavernas não abunda, nem mesmo para os insetos que têm o árduo trabalho de raspar material orgânico das superfícies. Por isso, algumas espécies de fêmeas terão evoluído no sentido de se tornarem mais competitivas na busca por alimento — e por parceiro sexual. Até porque o sémen dos machos é altamente nutritivo.

Este incentivo nutricional faz com que as fêmeas procurem ativamente machos com quem acasalar e se esforcem por manter cópulas prolongadas — numa das espécies, por exemplo, pode chegar às 70 horas. Aos machos, às vezes presos por pénis com pequenos espinhos, não lhes resta alternativa se não continuar a fornecer sémen às fêmeas (uma vez que, apesar de não terem pénis, o sémen é sempre produzido pelos machos). Aqui, a competição das fêmeas não é só para garantir que deixam descendentes, mas para assegurarem a própria sobrevivência.

O macho (à esquerda) e a fêmea (à direita) de ‘Neotrogla curvata’ durante o acasalamento. O pénis da fêmea (destacado a vermelho) tem a base inchada para servir de âncora — Yoshizawa et al. Biology Letters, Nov. 21, 2018

A análise morfológica dos pénis de Neotrogla e Afrotogla — há ainda um terceiro grupo aparentado, mas as fêmeas não têm órgãos tão desenvolvidos —, assim como a geografia e a árvore evolutiva, levaram os investigadores a concluir que os pénis evoluíram de forma independente nos dois géneros de psocídeos (os tais insetos das cavernas). Mais: mesmo dentro dos Neotrogla (o grupo da América do Sul), uma das espécies acabou por simplificar o tipo de pénis e perdeu os espinhos. Para esta espécie, a pressão dos predadores pode ser menor ou os machos podem ter um papel mais ativo na escolha das parceiras, apontam os investigadores.

Do lado dos machos também houve evolução: para as espécies cuja fêmea tem espinhos, as vaginas têm bolsas para acomodar esses espinhos, de tal forma que os investigadores não encontraram lesões nos machos resultantes da cópula, ainda que estes machos possam ser forçados ao acasalamento. A quantidade de sémen nutritivo que o macho oferece à fêmea pode, segundo a equipa, depender do estímulo que esta lhe consegue dar durante a reprodução.

Perceber a evolução dos pénis destas fêmeas cavernícolas pode trazer mais informação do que os hábitos invulgares destes insetos com órgãos genitais trocados — pode mesmo ajudar a explicar a evolução e enorme diversidade dos pénis de machos das outras espécies de animais. “Uma das mais importantes funções do pénis e da vagina é assegurar a entrega do sémen em meios não aquáticos. Contudo, acho que a seleção sexual é um fator mais importante para a evolução dos pénis dos machos”, diz Kazunori Yoshizawa, investigador na Universidade Hokkaido (Japão) e coordenador do trabalho.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)