Rádio Observador

Nostalgia

Sai Amy Shumer entra Margot Robbie. A Barbie vai chegar ao cinema mas antes apaga 60 velas

A famosa criação da Mattel chega aos 60 anos em 2019 mas será preciso esperar um pouco mais para vê-la no cinema. Margot Robbie será a boneca loura de plástico, caso sério no mundo dos brinquedos.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Ajustou-se aos tempos e ditames, prestou-se e sobreviveu a polémicas, mas é certo que chegará ao cinema na mais original das versões: loura e elegante, estereótipo que lhe valeu valentes doses de glamour e equivalentes dores de cabeça. Depois da comediante Amy Shumer, o primeiro nome avançado, se ter afastado do projeto em 2017, e de a hipótese Anne Hathaway ter vindo à baila, caberá por fim à atriz Margot Robbie (“O Lobo de Wall Street”, “Eu, Tonya”) dar vida à famosa boneca Barbie no grande ecrã.

Robbie irá ainda assumir a produção através da sua própria empresa, a LuckyChap Entertainment. A longa metragem com atores de carne e osso deverá estrear-se apenas em 2020, resulta da parceria com a Warner Bros e a Mattel, que detém os direitos da Barbie, e para a atriz de 28 anos “promove a confiança, curiosidade, e comunicação naquele que é um processo de auto-descoberta de uma criança”.

Mas enquanto se compõe o figurino do filme –falta realizador, título e data certa para o lançamento — um dos brinquedos mais populares do mundo chegará à marca dos 60 anos já em março. A história devolve-nos ao ano de 1959 e à feira de brinquedos de Nova Iorque, quando esta criação de Ruth Handler, co-fundadora da Mattel, que se inspirou nas brincadeiras da sua prole, foi apresentada pela primeira vez ao mundo (estima-se que as primeiras edições excedam hoje os 20 mil dólares em termos de valor de mercado).

Hoje uma ilustre sexagenária, a Barbie multiplicou-se em mais de um mil milhão de unidades espalhadas pelo globo, conquistando até os mercados mais sensíveis como o saudita, onde acabaria por levar a melhor às proibições de 1995 e 2003, sem comprometer a atração que sempre despertou. De resto, entre as inovações da boneca ao longo dos anos, que incluem alterações nas formas, figurinos, e até nas profissões desempenhadas, conta-se a aproximação ao mundo árabe através de um visual pensado ao pormenor.

Segundo a Mattel, a cada dois segundos é vendida uma Barbie no mundo, e todos os anos 58 milhões de exemplares chegam a lares de 150 países. E se o seu compromisso com a evolução nos costumes é visível em inúmeros aspetos, não é menos verdade que a eterna namorada do Ken se mantém a leste de rugas e outras inevitabilidades do envelhecimento, por mais benevolente que o processo possa ser. Nada que atormente a marca e os seus variadíssimos desdobramentos — em 2017 a Barbie ganhava mesmo uma edição de luxo com selo da Assouline dedicada ao seu estilo. Afinal, há contrariedades bem maiores no horizonte. Em dezembro passado, o The New York Times elencava os principais desafios e saídas de emergência para a Barbie em particular, e para o universo dos brinquedos como este no geral, a braços com a feroz competição dos jogos de vídeo, tablets e outras predileções dos mais pequenos em pleno século XXI.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mrsilva@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)