António Costa

Há um ano, Costa plantou sobreiros no Pinhal de Leiria. Mas sobreiros morreram

5.764

Depois do incêndio de outubro no Pinhal de Leiria, António Costa plantou um sobreiro simbólico para dar o exemplo. Mas, um ano depois, todos os sobreiros plantados morreram, avança o Público.

RUI MIGUEL PEDROSA/LUSA

A 22 de janeiro de 2018, três meses depois do incêndio de outubro que consumiu quase a totalidade da área do Pinhal de Leiria, o primeiro-ministro procurava dar o exemplo ao plantar um sobreiro no solo ainda em cinzas. Depois do sobreiro de António Costa seguiram-se muitos outros. Segundo avança o jornal Público na edição deste sábado, contudo, a grande maioria dos sobreiros plantados desde aí, secaram.

Na altura, Costa, acompanhado do ministro da Agricultura, do secretário de Estado das Florestas e do presidente do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, convocou os jornalistas para o verem a dar o primeiro passo no sentido da reflorestação que seria necessária para colmatar o facto de um dos maiores pulmões do país ter ardido nos trágicos incêndios do passado mês de outubro. Agora, segundo avança o Público, que esteve no local, é visível que poucas árvores vingaram.

De acordo com o mesmo jornal, o motivo estará relacionado com o facto de os solos arenosos serem pobres em matéria orgânica, o que dificulta a sobrevivência daquelas espécies. E mesmo as que resistem aos primeiros cinco anos têm dificuldades em atingir uma dimensão considerável, sendo que o pinheiro-bravo se assume como a exceção a esta regra. Acontece que, como no limite daqueles terrenos, existem vários sobreiros com algumas dezenas de anos, foi tomada a decisão de, mesmo assim, plantar os sobreiros. Mas o verão foi seco e isso prejudicou ainda mais as probabilidades de a espécie vingar. “Vindas de um torrão de terra diferente em termos de condicionamento e fertilidade, sofrem um impacto violento ao ser colocadas num terreno austero”, explica um especialista em florestas àquele jornal.

Paulo Lucas, da associação Zero, também tentou a mesma sorte mas, um ano depois, não tem dúvidas de que 80% do que os voluntários plantaram morreu. “É perfeitamente normal. A ideia de que é muito fácil e barato plantar árvores é muito romântica, mas as plantações são um trabalho florestal, profissional, como qualquer outro. Mesmo bem feito, há sempre um grande grau de incerteza”, diz ao Público. Agora, não há mais nada a fazer senão substituir as árvores que não vingaram e tentar novamente.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Eleições Europeias

Salve-se quem puder /premium

Rui Ramos
312

É este o governo que temos: não tem nada a dizer ao país, enquanto conjunto dos cidadãos, mas tudo para dizer aos lóbis e grupos de interesse que lhe parecem importantes para continuar a mandar. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)