Adalberto Campos Fernandes

Ex-ministro da saúde: “Gostava de ter tido a sorte de ter feito muito mais investimento”

168

Adalberto Campos Fernandes revela que já tinha pedido a António Costa para sair antes de ser substituído e lamenta não ter tido mais dinheiro para investir no Serviço Nacional de Saúde.

Adalberto Campos Fernandes foi substituído por Marta Temido em outubro de 2018

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O ex-ministro da Saúde do atual governo socialista, substituído em outubro por Marta Temido, lamenta não ter tido mais dinheiro para investir no setor, mas garante que continua a ser Centeno. Em entrevista à TSF e ao Diário de Notícias, Adalberto Campos Fernandes abordou os constrangimentos financeiros do setor: “Eu gostava muito de ter tido a sorte de ter feito muito mais investimento nestes três anos, de ter melhorado os hospitais”. O antigo ministro acrescenta que “foi e está a ser feito muito investimento, mas continua a ser claramente insuficiente”.

Para Adalberto Campos Fernandes “o que faz falta ao Serviço Nacional de Saúde é um choque de modernização” e que só com essa renovação será possível “atrair mais e melhores profissionais”. Sobre o que não fez e queria ter feito, o ex-governante volta a lamentar a falta de verbas: “Se eu voltasse atrás nestes três anos o que é que eu gostaria que tivesse acontecido? Gostava que tivesse tido mais recursos financeiros para que o tal Plano Marshall [que defende para o SNS] já tivesse começado”.

Colou-se à pele de Adalberto Campos Fernandes uma frase que disse no Parlamento, quando a oposição alegava que os ministros estavam de costas voltadas: “Somos todos Centeno”. Na entrevista ao DN e à TSF, o ex-ministro reitera: “Pode não ser muito popular, pode ser algo que não fica bem, mas eu dir-lhe-ia hoje, quatro meses depois de sair do governo, que continuo a ser não pelo Mário Centeno em concreto, mas adepto da ideia de que é preciso prevenir” um quarto resgate financeiro ao país.

Sobre as relações com Mário Centeno e António Costa após a saída do Governo, Adalberto Campos Fernandes não se alongou, dizendo que tem duas características que são comuns aos três: são “benfiquistas” e têm um “razoável sentido de humor”. Mas jurou fidelidade ao atual governo: “Portanto este, é o meu Governo. Eu sou membro do PS como é do conhecimento geral, faço parte da comissão política e mesmo que eu não fosse, este continuaria a ser o meu Governo”.

Quanto à saída, Adalberto Campos Fernandes conta que já antes de ser substituído tinha dito a António Costa que “talvez fosse bom haver uma saída e um refrescamento”, mas “ele tinha a prerrogativa, como tem qualquer primeiro-ministro, de escolher o momento em que o faria”. O antigo governante lembra que “a duração média de um ministro da Saúde em Portugal é relativamente baixa. O Paulo Macedo conseguiu fazer os quatro anos porque tinha aquele cimento que era a presença da troika em Portugal”. E acrescento: “[A Saúde] é uma pasta de muita intensidade política, de muito combate e, por vezes, o refrescamento não só traz uma melhor relação com o terreno, como traz também alguma frescura política que eu admito que se perde ao fim de três anos na Saúde”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Filhos

Guarda conjunta em residência alternada /premium

Eduardo Sá

A recomendação de ser “regra” o regime de guarda conjunta com residência alternada, se mal gerida, pode trazer a muitas crianças uma regulação da responsabilidade parental mais populista do que justa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)