Rádio Observador

Adalberto Campos Fernandes

Ex-ministro da saúde: “Gostava de ter tido a sorte de ter feito muito mais investimento”

168

Adalberto Campos Fernandes revela que já tinha pedido a António Costa para sair antes de ser substituído e lamenta não ter tido mais dinheiro para investir no Serviço Nacional de Saúde.

Adalberto Campos Fernandes foi substituído por Marta Temido em outubro de 2018

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O ex-ministro da Saúde do atual governo socialista, substituído em outubro por Marta Temido, lamenta não ter tido mais dinheiro para investir no setor, mas garante que continua a ser Centeno. Em entrevista à TSF e ao Diário de Notícias, Adalberto Campos Fernandes abordou os constrangimentos financeiros do setor: “Eu gostava muito de ter tido a sorte de ter feito muito mais investimento nestes três anos, de ter melhorado os hospitais”. O antigo ministro acrescenta que “foi e está a ser feito muito investimento, mas continua a ser claramente insuficiente”.

Para Adalberto Campos Fernandes “o que faz falta ao Serviço Nacional de Saúde é um choque de modernização” e que só com essa renovação será possível “atrair mais e melhores profissionais”. Sobre o que não fez e queria ter feito, o ex-governante volta a lamentar a falta de verbas: “Se eu voltasse atrás nestes três anos o que é que eu gostaria que tivesse acontecido? Gostava que tivesse tido mais recursos financeiros para que o tal Plano Marshall [que defende para o SNS] já tivesse começado”.

Colou-se à pele de Adalberto Campos Fernandes uma frase que disse no Parlamento, quando a oposição alegava que os ministros estavam de costas voltadas: “Somos todos Centeno”. Na entrevista ao DN e à TSF, o ex-ministro reitera: “Pode não ser muito popular, pode ser algo que não fica bem, mas eu dir-lhe-ia hoje, quatro meses depois de sair do governo, que continuo a ser não pelo Mário Centeno em concreto, mas adepto da ideia de que é preciso prevenir” um quarto resgate financeiro ao país.

Sobre as relações com Mário Centeno e António Costa após a saída do Governo, Adalberto Campos Fernandes não se alongou, dizendo que tem duas características que são comuns aos três: são “benfiquistas” e têm um “razoável sentido de humor”. Mas jurou fidelidade ao atual governo: “Portanto este, é o meu Governo. Eu sou membro do PS como é do conhecimento geral, faço parte da comissão política e mesmo que eu não fosse, este continuaria a ser o meu Governo”.

Quanto à saída, Adalberto Campos Fernandes conta que já antes de ser substituído tinha dito a António Costa que “talvez fosse bom haver uma saída e um refrescamento”, mas “ele tinha a prerrogativa, como tem qualquer primeiro-ministro, de escolher o momento em que o faria”. O antigo governante lembra que “a duração média de um ministro da Saúde em Portugal é relativamente baixa. O Paulo Macedo conseguiu fazer os quatro anos porque tinha aquele cimento que era a presença da troika em Portugal”. E acrescento: “[A Saúde] é uma pasta de muita intensidade política, de muito combate e, por vezes, o refrescamento não só traz uma melhor relação com o terreno, como traz também alguma frescura política que eu admito que se perde ao fim de três anos na Saúde”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)