Rádio Observador

Fome

Oito países do mundo concentram o maior número de pessoas com fome

2.692

56 milhões de pessoas, em oito países, necessitam de alimentos urgentemente. Em cinco deles, a fome crónica não para de crescer devido aos conflitos.

ABDI HAJJI HUSSEIN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Oito países concentram o maior número de pessoas (56 milhões) que necessitam de alimentos urgentemente, sendo que em cinco deles a fome crónica não para de crescer devido aos conflitos.

No Iémen, no Sudão do Sul, no Afeganistão, na República Democrática do Congo (RDC) e na República Centro-Africana, a insegurança alimentar aumentou novamente no final de 2018, sinal que a violência e a fome são “muito persistentes”, segundo organizações internacionais citadas pela agência espanhola Efe.

A informação é veiculada pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) no seu último relatório aos membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

No mapa das maiores crises humanitárias do mundo, encontram-se a Somália, a Síria e a bacia do Lago Chade, especialmente no nordeste da Nigéria, embora ultimamente a sua situação alimentar tenha melhorado, em linha com uma maior segurança.

O especialista da FAO Luca Russo observa uma “mudança dramática” na República Democrática do Congo, onde a prevalência da fome disparou 11% num ano devido à intensificação dos confrontos no Leste e à crise de pessoas deslocadas no centro do país.

Cerca de 13 milhões de pessoas precisam de ajuda de emergência no país, um número apenas superado pelo Iémen, com quase 16 milhões de pessoas, mais da metade da população, numa situação de crise alimentar.

“Há muitos iemenitas que estão realmente a morrer, mas não são o suficiente para se declarar fome”, afirma à Efe Luca Russo, adiantando que a operação humanitária no país tem servido como contenção, embora “seja muito difícil” chegar a certas zonas onde as pessoas não conseguem alimentar-se.

Segundo a ONU, espera-se que mais pessoas fiquem em risco de terem fome se a ajuda for interrompida, a guerra se intensificar e portos como o Al Hudeida, o principal ponto de entrada para ajuda e importação de alimentos, forem fechados.

O único desses países em conflito onde o clima está a agravar a seca é o Afeganistão, que enfrenta um complicado período de escassez depois de uma das piores épocas de chuva em quase dez anos, afirma o assessor da Rede de Sistemas de Alerta precoce para a Fome, Peter Thomas.

De acordo com projeções, mais de 10 milhões de afegãos sofrerão um défice alimentar crítico nas áreas rurais se não receberem ajuda urgente.

Enquanto isso, no Sudão do Sul, “o conflito espalhou-se à maior parte do território, mantêm-se altos níveis de deslocações e há muitas famílias com acesso restrito ao mercado” e sem poder cultivar os campos, disse Peter Thomas.

Onde também não foi possível evitar um aumento da fome foi na República Centro-Africana, onde esta situação atinge quase dois milhões de pessoas, a maioria deslocada em comunidades de acolhimento.

A República Centro-Africana, o Sudão do Sul e o Iémen estão na lista de dez países e regiões em que o centro de análise considera estarem em risco de uma escalada de violência e em que a União Europeia poderia promover ações para promover a paz, escreve a Efe.

Atualmente, há operações humanitárias massivas no mundo que abrangem milhões de pessoas todos os meses, mas, como diz Peter Thomas, em certos casos, “as necessidades aumentam quando a assistência não consegue chegar a quem mais necessita”.

Esta situação deve-se, em parte, a ataques contra os que fornecem esta ajuda. No ano passado, registaram-se 284 vítimas, das quais 104 perderam suas vidas, segundo a base de dados sobre a segurança dos trabalhadores humanitários.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)