Papa Francisco

Papa Francisco admite pela primeira vez a existência de abusos sexuais de padres e bispos contra freiras

105

Papa Francisco aproveitou a viagem de regresso dos Emirados Árabes Unidos para revelar que foram suspensos padres que violaram freiras: "Um problema persistente".

AFP/Getty Images

O Papa Francisco admitiu esta terça-feira que a Igreja Católica Romana tem “um problema persistente” de abuso sexual de freiras por padres e bispo. “É verdade. Há padres e bispos que fizeram isso. Devia ser feito mais [para o impedir]? Sim. E temos essa vontade? Sim”, disse o líder da Igreja Católica na primeira vez que falava sobre o assunto, na viagem de regresso dos Emirados Árabes Unidos para Roma.

Várias freiras católicas acusam clérigos de abuso sexual nos últimos anos na Índia, na África e na Itália. Uma revista do Vaticano publicou na semana passada uma reportagem sobre freiras que ou abortam ou chegam mesmo a dar à luz bebés concebidos durante violações cometidas por homens da Igreja. Agora, o Papa Francisco revela que o Vaticano está a investigar os casos e que já suspendeu alguns desses violadores.

Ainda em setembro do ano passado, o pontífice apelou à denúncia de casos de violação que envolvam padres: “Acabar com isto não significa simplesmente seguir em frente, mas procurar uma cura, reparação, tudo o que for necessário para curar feridas e restaurar a vida de tantas pessoas”, disse ele durante uma reunião privada com jesuítas em Dublin, Irlanda. No mês anterior, o Papa já tinha publicado uma carta onde condenava o crime de abuso sexual por parte de padres e o encobrimento desses crimes.

Nessa mesma viagem, à conversa com os jornalistas, o Papa Francisco também declarou estar disponível para intervir na crise política na Venezuela, mas apenas se duas condições forem satisfeitas: que o pedido de ajuda, já endereçado por Nicolás Maduro através de uma carta, também venha da oposição do ditador venezuelano; e que as duas partes do conflito tomem “medidas preliminares” para entrarem em diálogo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Liberdades

O medo da liberdade /premium

Paulo Tunhas
170

O que esta nova esquerda busca não se reduz ao desenvolvimento de um Estado tutelar. É algo que visa a perfeita eliminação da sociedade como realidade distinta do Estado. Basta ouvir Catarina Martins.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)