Moda

Gucci retira camisola de 785 euros do mercado depois de ser acusada de racismo

1.152

A Gucci está envolta numa polémica por ter lançado no mercado uma camisola de 785 euros que pode evocar o racismo. No Twitter já surgiram comentários como "feliz mês da história negra".

A peça é uma camisola de lã que foi posta à venda por 785 euros

A Gucci retirou das lojas uma camisola de lã depois de ter sido alvo de críticas nas redes sociais. No Twitter, lêem-se posts que afirmam tratar-se de uma peça parecida com uma balaclava, um gorro justo de malha que cobre a cabeça até ao pescoço e deixa apenas à mostra os olhos e, por vezes, a boca e o nariz.

Mas a polémica gerou-se quando os mais críticos compararam  a camisola à “blackface” — uma forma de maquilhagem usada antigamente em teatros por atores que queriam representar pessoas afroamericanas. Além de pintarem a cara de preto, os traços faciais eram exagerados e a zona dos lábios tomava a cor de um vermelho vivo.

A camisola estava à venda no mercado a cerca de 785 euros, e pertencia à coleção outono/inverno 2018 da marca de luxo.

Modelo usada no site da Gucci com a camisola que gerou polémica vestida

Entre os comentários mais críticos no Twitter, lê-se “Feliz mês da história negra” e outras alusões à história dos afroamericanos. Um outro tweet dá conta da falta de atenção das grandes marcas de roupa em relação a temas sensíveis como o do racismo.

Já da parte da Gucci, a marca apresentou um comunicado na noite de quarta-feira a pedir as suas “profundas desculpas pela ofensa causada pela camisola balaclava de lã” e afirmou que o artigo tinha sido “imediatamente retirado das lojas online e físicas”.

A Gucci acrescentou ainda que a polémica gerada será transformada num “poderoso momento de aprendizagem para a equipa”, dizendo que a diversidade era um valor fundamental a ser mantido e respeitado pela marca.

Esta não é, contudo, nem a primeira nem a última polémica que vem à tona com as grandes marcas de roupa e acessórios. Em dezembro do ano passado, a Prada retirou também artigos do mercado alusivos à cultura afroamericana.

No mês anterior, em novembro, a Dolce & Gabbana também se viu a par com críticas aos seus anúncios, tendo até adiado um desfile de moda em Xangai depois de ter sido acusada de racismo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)