Abusos na Igreja

Bispos da Catalunha pedem perdão por abusos sexuais a menores cometidos por religiosos

O pedido foi feito enquanto decorre a Conferência Episcopal de Tarragona. "Pedimos desculpa às vítimas e somos solidários com a sua dor", disseram os bispos das dioceses da Catalunha.

Em comunicado, os bispos dizem condenar "redondamente" os abusos a menores "e toda a cultura que os fomenta ou justifica"

AFP/Getty Images

Os bispos das dioceses da Catalunha pediram esta terça-feira perdão pelos abusos sexuais a menores cometidos por religiosos, de quem dizem sentir “vergonha e dor”. O pedido foi feito enquanto decorre a reunião ordinária da Conferência Episcopal de Tarragona, que teve início esta segunda-feira em Tiana, Barcelona.

Pedimos desculpa às vítimas e somos solidários com a sua dor, bem como a todas as pessoas a quem o conhecimento destes fatos escandalizou e abalou sua confiança na Igreja”, sublinharam os bispos.

Em comunicado, os bispos dizem condenar “redondamente” os abusos a menores “e toda a cultura que os fomenta ou justifica”, considerando que se trata de “um grave problema que afeta toda a sociedade”. “E a Igreja, como toda a sociedade, também é afetada”, referiram.

Nas últimas semanas, a Igreja Católica na Catalunha foi abalada por algumas notícias sobre abusos a menores, que nos enchem de vergonha e de dor, já que alguns dos agressores eram pessoas consagradas ou sacerdotes”, lê-se na nota enviada pelos bispos.

Entre os casos de abusos sexuais a menores conhecidos, há um que envolve um monge de Montserrat — que morreu há oito anos –, outro envolveu três sacerdotes de Tarragona (um deles falecido também há oito anos) e outro da diocese de Girona. Os bispos comprometeram-se também a colaborar no esclarecimento de todos os casos do passado e a aplicar o princípio da tolerância zero para o encobrimento de histórias semelhantes. Colocaram-se também à disposição das vítimas para qualquer tipo de ajuda.

Já na passada quinta-feira, o presidente do Tribunal Eclesiástico de Barcelona, citado pela agência Lusa, exigiu a denúncia de qualquer caso de abuso sexual. Santiago Bueno revelou ainda que o mesmo tribunal não está a investigar qualquer caso por não ter recebido nenhuma queixa formal.

A ministra da Justiça espanhola, Dolores Delgado, enviou uma carta ao presidente da Conferência Episcopal a pedir todas as informações sobre inquéritos internos, reclamações e procedimentos abertos sobre abuso sexual e agressões em instituições religiosas. Os bispos, por sua vez, reiteraram o “firme compromisso com o cumprimento da legislação vigente, canónica e civil”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt
Abusos na Igreja

Mr. McCarrick, I presume? /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Quando a Igreja castiga os clérigos pedófilos, com o máximo rigor que a lei canónica permite, age de acordo com o exemplo e a doutrina do seu divino Mestre.

Abusos na Igreja

O Observador e os abusos na Igreja

Miguel Pinheiro

Como foi feito e por que foi feito o trabalho especial do Observador sobre abusos sexuais na Igreja portuguesa? Quais são as dúvidas e críticas dos leitores? E quais são as nossas respostas?

Empresas

Accionista e operador de máquinas: bons amigos?

Rui Esperança

A perpetuação do modelo da melhoria dos resultados das empresas à custa dos salários baixos e do consequente enriquecimento dos accionistas tem de mudar. Sem as pessoas, as empresas são pouca coisa.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)