Rádio Observador

Igreja Católica

Abade de mosteiro de Montserrat, em Barcelona, escondeu abusos sexuais durante mais de 20 anos

457

Foi preciso que uma das vítimas devolvesse o dinheiro — 7200 euros em notas de 500 — recebido da Igreja e divulgasse os abusos à comunicação social para que o abade decidisse investigar os casos.

O mosteiro de Montserrat é um dos grandes símbolos da identidade catalã

Wikimedia Commons

O abade do mosteiro de Montserrat, em Barcelona, pediu no domingo desculpa pelos casos de abuso sexual denunciados no último mês contra monges daquela casa, que manteve em segredo durante mais de vinte anos. “Os meus irmãos da comunidade e eu mesmo pedimos humildemente perdão às vítimas, solidarizamo-nos com a sua dor e oferecemos-lhes o apoio da comunidade”, disse Josep Maria Soler, superior do mosteiro, que é um dos mais importantes símbolos de Barcelona e da Catalunha.

O caso — o mais recente numa sucessão de notícias sobre abuso sexual de menores na Igreja em Espanha — começou há duas semanas, quando um psiquiatra espanhol a residir em Londres, Miguel Ángel Hurtado, disse à imprensa que tinha sofrido abusos sexuais cometidos pelo monge Andreu Soler, em Montserrat, em 1998.

Hurtado fazia parte do grupo de escuteiros católicos associado ao mosteiro, que tinha sido fundado pelo próprio padre Adreu Soler, e pernoitava frequentemente nas instalações dos monges. Foi aí que, em diversas ocasiões, ocorreram os abusos, segundo relata a imprensa espanhola.

O psiquiatra disse à comunicação social que os monges sabiam dos abusos desde, pelo menos, 1999. Hurtado garante que denunciou os crimes ao superior do mosteiro e que, na sequência da denúncia, recebeu uma carta garantindo que haveria uma investigação e ainda uma quantia de 7.200 euros, que o mantiveram em silêncio até janeiro deste ano. O dinheiro foi recebido em notas de 500 euros, para que o pagamento não pudesse ser identificado.

A única medida tomada pelo abade do mosteiro foi a transferência do monge em questão para outro mosteiro. Nunca abriu um processo canónico, como manda o Código do Direito Canónico, e não comunicou o caso às autoridades civis. Os abusos mantiveram-se em segredo durante vinte anos. E, pelo meio, o abade negou a existência de qualquer problema.

Quando, em 2000, a imprensa espanhola publicou um conjunto de reportagens sobre um suposto “lobby gay” no mosteiro, que teria usurpado o poder no interior da congregação e destituído os líderes anteriores, Josep Maria Soler deu uma entrevista ao jornal catalão La Vanguardia na qual criticava a “vontade de desprestigiar os valores evangélicos, a própria Igreja como instituição, a Catalunha e inclusivamente as bases éticas da sociedade“.

Como conta o El Mundo, a polémica da altura mobilizou a esfera política catalã, preocupada com o desprestígio de um mosteiro historicamente associado à identidade da Catalunha. O próprio Jordi Pujol, então presidente do governo regional catalão, deslocou-se pessoalmente ao mosteiro para apoiar os monges perante o escândalo provocado pelas reportagens.

Naquela altura, o abade já sabia das denúncias de abuso sexual contra o monge Andreu Soler, embora não tenha agido para proteger o menor, então com 15 anos. O monge acusado viria a morrer em 2008, mas só em 2016 é que o abade enviou para o Vaticano as denúncias. Foi preciso que a vítima, Miguel Ángel Hurtado, devolvesse o dinheiro e comunicasse a Josep Maria Soler que iria denunciar os abusos à comunicação social.

A denúncia de Hurtado, em 19 de janeiro, levou a que, menos de duas semanas depois, outra vítima se chegasse à frente para contar a sua história. Ricard Zamora, hoje com 55 anos, contou que no final de janeiro que em 1978 passou alguns dias com os monges em Montserrat, enviado pela família para corrigir o seu comportamento. Durante esse tempo, o padre Adreu Soler meteu-se na sua cama e tocou-lhe nos genitais.

Duas décadas depois, Josep Maria Soler continua a ser o abade de Montserrat. A divulgação do encobrimento dos abusos, porém, está a motivar pedidos de demissão. “Abade encobridor não pode ser pastor“, reclama Miguel Ángel Hurtado, que não aceita que os abusos na comunidade sejam investigados por uma comissão criada pela própria comunidade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)