Ordem dos Enfermeiros

Ordem dos Enfermeiros diz que os serviços mínimos estão a ser cumpridos

453

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros informa que "não há nenhuma infração", e acrescenta que "não havendo violação dos serviços mínimos, à Ordem não lhe compete abrir inquéritos disciplinares".

Os principais pontos de discórdia com o Governo são o descongelamento das progressões na carreira e o aumento do salário base dos enfermeiros

MIGUEL A. LOPES/LUSA

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros disse esta terça-feira que os serviços mínimos estão a ser cumpridos nos dez hospitais públicos abrangidos pela greve nos blocos operatórios, incluindo os quatro com a requisição civil de enfermeiros.

Ana Rita Cavaco falava aos jornalistas na sede da Ordem, em Lisboa, depois de se ter reunido com enfermeiros-diretores dos hospitais onde decorre desde o dia 31 de janeiro, e até ao fim de fevereiro, a ‘greve cirúrgica’ dos enfermeiros. No final da reunião, os enfermeiros-diretores optaram por sair das instalações da Ordem sem prestar declarações à imprensa.

A bastonária afirmou, referindo-se aos hospitais abrangidos pela paralisação, que “não há nenhuma infração que os enfermeiros-diretores possam reportar à Ordem” e, “não havendo violação dos serviços mínimos, à Ordem não lhe compete abrir inquéritos disciplinares”.

“Não tem matéria para o fazer”, frisou Ana Rita Cavaco, alegando que pela primeira vez “houve uma orientação” da tutela de “como os hospitais se deviam comportar” durante a greve.

A bastonária mencionou, sem concretizar se essa orientação foi cumprida em algum hospital, um ‘email’ da chefe de gabinete da ministra da Saúde que, “no limite, pede para que sejam escalados 100 por cento dos enfermeiros”.

Sobre os efeitos da paralisação nas listas de espera de cirurgias, Ana Rita Cavaco disse que “a greve inicia-se já com um problema grave de listas de espera”.

Esta greve tem um efeito: hoje [terça-feira], o serviço nos blocos operatórios é muito melhor organizado, há mais produção cirúrgica”, defendeu, sem enumerar as cirurgias que foram realizadas ou adiadas desde que a greve está em curso.

Na reunião com a bastonária estiveram igualmente representantes sindicais e do movimento de enfermeiros “Greve Cirúrgica”, que, em declarações aos jornalistas, prometeram, sem especificar, “novas formas de luta” caso as reivindicações dos enfermeiros não sejam atendidas.

A paralisação, que abrangeu inicialmente sete hospitais aos quais se juntaram mais três na sexta-feira, foi convocada pela Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE) e pelo Sindicato Democrático dos Enfermeiros Portugueses (Sindepor), que pediu ao tribunal que declare a nulidade da requisição civil decretada pelo Governo.

Na quinta-feira, o Governo decretou uma requisição civil na greve dos enfermeiros em blocos operatórios, alegando incumprimento da prestação de serviços mínimos.

A requisição civil foi feita aos enfermeiros do Centro Hospitalar e Universitário de S. João, Centro Hospitalar e Universitário do Porto, Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga e Centro Hospitalar de Tondela-Viseu.

A greve levou ao adiamento de mais de metade das 4.782 cirurgias previstas na primeira semana da paralisação, segundo o Ministério da Saúde, que divulgou na segunda-feira um balanço semanal.

Trata-se da segunda ‘greve cirúrgica’ convocada pelos sindicatos ASPE e Sindepor. A primeira decorreu em blocos operatórios de cinco centros hospitalares públicos entre os dias 22 de novembro e 31 de dezembro de 2018, tendo provocado o adiamento de mais de 7.500 cirurgias, de acordo com a tutela.

As duas greves foram convocadas após um movimento de enfermeiros ter lançado recolhas de fundos numa plataforma na internet para financiar as paralisações, num total de 740 mil euros.

Segundo os sindicatos, os principais pontos de discórdia com o Governo são o descongelamento das progressões na carreira e o aumento do salário base dos enfermeiros.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Gritem menos e conversem mais

Fernando Leal da Costa
569

Não nos podemos distrair com a gritaria. O problema é a greve de enfermeiros? Sem greve estaria tudo perfeito? É óbvio que NÃO! O problema do SNS é o Governo que temos, é António Costa e Mário Centeno

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)