Rádio Observador

China

China reforça integração regional de Macau para criar nova metrópole mundial

O projeto da Grande Baía visa criar uma metrópole mundial, focando-se em áreas como os transportes, segurança, educação, turismo ou cultura, a partir de Hong Kong, Macau e nove cidades de Guangdong.

O plano de desenvolvimento da Grande Baía, que integra Macau, Hong Kong e nove cidades da província chinesa de Guangdong foi apresentado esta segunda-feira

ALEKSANDAR PLAVEVSKI/EPA

A China apresentou esta segunda-feira o plano de desenvolvimento da Grande Baía, projeto que integra Macau, Hong Kong e nove cidades da província chinesa de Guangdong, que pretende afirmar a região numa metrópole mundial.

O projeto da Grande Baía visa criar uma metrópole mundial, focando-se em áreas como os transportes, segurança, educação, comércio, turismo, áreas jurídicas e culturais, entre outras, a partir dos territórios de Hong Kong, Macau e nove cidades da província chinesa de Guangdong (Cantão, Shenzhen, Zhuhai, Foshan, Huizhou, Dongguan, Zhongshan, Jiangmen e Zhaoqing), com mais de 68 milhões de habitantes e que em 2016 representou 12,5 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) da China.

Até 2022, o objetivo passa por aumentar substancialmente a cooperação entre Guangdong, Hong Kong e Macau, com vista a reforçar o desenvolvimento na região, informou a agência oficial chinesa Xinhua, relativamente às “Linhas Gerais do Planeamento para o Desenvolvimento da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau”, documento escrito em chinês.

De acordo com a Xinhua, as linhas gerais estabelecem ainda, como metas de longo prazo (até 2035), que a Grande Baía deve reforçar o seu desenvolvimento económico através da inovação e da tecnologia, de forma a tornar-se mais competitiva e com “influência internacional”.

“As Linhas Gerais são uma confirmação histórica da política nacional de reforma e abertura dos últimos 40 anos”, sublinhou o chefe do executivo de Macau, Chui Sai On, num comunicado de reação ao anúncio de Pequim. “As Linhas Gerais testemunham o marco e o símbolo da reforma de abertura na nova era”, acrescentou Chui Sai On, que vai chefiar uma comitiva de cerca de 50 dirigentes do território, a Hong Kong, na quinta-feira, para a cerimónia de divulgação oficial deste ambicioso projeto chinês.

De acordo com o governo de Macau, as linhas apresentadas por Pequim, para as regiões envolvidas no projeto, são orientadas “por valores ecológicos, tecnológicos e culturais”, capazes “de liderar a tendência dos tempos”. Estas medidas, segundo o chefe do executivo de Macau, têm como objetivo formar “um suporte sólido” para a concretização da iniciativa internacional de Pequim “Uma Faixa, Uma Rota”, proposta em 2013 pelo Presidente chinês e que tem como objetivo reforçar as ligações e dinamizar o comércio entre várias economias da Ásia, do Médio Oriente, da Europa e de África, através do investimento em infraestruturas.

Macau ficará responsável por se posicionar enquanto centro mundial de turismo e lazer, enquanto plataforma de serviços para a cooperação comercial entre a China e os países de língua portuguesa, explicou Chui Sai On, anunciando que foi atribuída uma outra missão a Macau: “promover a coexistência das diversas culturas, com predominância da cultura chinesa”.

O governo central e o do território, sustentou Chui Sai On, partilham “um objetivo comum que é o de tornar Macau no elo de ligação entre a China e o mundo”. A China quer ainda que a Região Administrativa Especial de Macau invista no mar. Em dezembro de 2015, por determinação do Conselho de Estado chinês, Macau passou a ter, pela primeira vez, jurisdição sobre 85 quilómetros quadrados de águas marítimas.

“Nestas Linhas Gerais está claramente expresso o apoio a Macau na elaboração científica do plano de desenvolvimento das zonas marítimas a médio e longo prazo, no sentido do desenvolvimento de diversas indústrias, designadamente o turismo marítimo, a tecnologia marítima e a biologia marítima”, referiu o chefe do executivo de Macau.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)