Forças Armadas

Forças portuguesas na RCA regressam após mais de 70 horas de combate de “alta intensidade”

467

Depois de seis meses de missão, os militares portugueses na República Centro Africana regressam a Portugal na segunda-feira. Nesse dia, parte uma força maioritariamente composta por Comandos.

Portugal está presente na RCA desde o início de 2017, no quadro da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização na República Centro Africana (MINUSCA)

Tiago Petinga/LUSA

Os militares portugueses da 4.ª Força Nacional Destacada na República Centro Africana (RCA) regressam a Portugal na segunda-feira, após seis meses de missão, com mais de 70 horas de combates de “alta intensidade”, com grupos armados.

Portugal está presente na RCA desde o início de 2017, no quadro da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização na República Centro Africana (MINUSCA), cujo 2.º comandante é o major-general do Exército Marco Serronha.

Na MINUSCA está a 4.ª Força Nacional Destacada, composta por 180 militares (177 do Exército e três da Força Aérea), como Força de Reação Rápida. Outros seis militares do Exército português estão integrados no comando da missão.

A força que na segunda-feira regressa a Portugal é composta, na sua maioria, por Paraquedistas do 2.º Batalhão de Infantaria Paraquedista de Aveiro, e a força que parte, também na segunda-feira, é maioritariamente composta por Comandos.

“Do empenhamento da Força Nacional Destacada que agora regressa, destaca-se a realização de duas operações militares de grande envergadura, conduzidas sob égide das Nações Unidas, que implicou a projeção durante 65 dias dos militares portugueses para Bambari, região situada a 400 quilómetros da capital Bangui”, refere o Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA), em comunicado.

Das operações realizadas resultaram onze ações de contacto com grupos armados, sendo que cinco tiveram origem em “ações de combate planeadas e executadas pelos capacetes azuis portugueses”, para proteger civis inocentes, bem como para repelir os grupos armados da cidade de Bambari.

“Os restantes incidentes foram resultado de reações a flagelações ou emboscadas. No final foram contabilizadas mais de 70 horas em ações de combate de alta intensidade”, acrescenta o documento.

Na segunda-feira vai partir para a RCA a quinta Força Nacional Destacada, que também será a Força de Reação Rápida da MINUSCA no país, com a missão de apoio à paz em qualquer região do país, com o objetivo de contribuir para a estabilização, segurança e controlo do território.

A RCA caiu no caos e na violência em 2013, depois do derrube do ex-Presidente François Bozizé por grupos armados juntos na Séléka, o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-Balaka.

O conflito neste país, com o tamanho da França e uma população que é menos de metade da portuguesa (4,6 milhões), já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária.

O governo controla cerca de um quinto do território. O resto é dividido por mais de 15 milícias que procuram obter dinheiro através de raptos, extorsão, bloqueio de vias de comunicação, recursos minerais (diamantes e ouro, entre outros), roubo de gado e abate de elefantes para venda de marfim. Em 6 de fevereiro, foi assinado em Bangui um acordo de paz entre o governo e 14 milícias.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)