Rádio Observador

Eleições Europeias

CNE. Autarcas atacam “lei da rolha”, Costa só se guia pela lei eleitoral

Autarca de Gaia foi alvo de queixa por violação da lei eleitoral que proíbe câmaras e Governo de publicitarem obras três meses antes das eleições (europeias). Costa não vai seguir restrições à letra.

Nota informativa da CNE diz que autarcas e Governo não podem publicitar obras ou serviços desde que for publicada a data das eleições (sejam elas europeias, autárquicas ou legislativas)

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Entre autarcas e Governo, ninguém está satisfeito com as regras da Comissão Nacional de Eleições (CNE) que proíbem a publicidade de obras ou serviços até às eleições europeias. “Mais vale fechar as portas até às eleições legislativas”, dizem autarcas citados pelo Jornal de Notícias, que avança que vai haver esta terça-feira uma reunião da Associação Nacional de Municípios para estudar uma linha de ataque àquela que apelidam “lei da rolha”. Do lado do Governo, a postura é a mesma: António Costa tenciona cumprir a lei eleitoral, mas não as restrições apertadas da CNE, disse o gabinete do primeiro-ministro ao Jornal de Negócios.

Em causa está uma nota informativa da CNE, divulgada na semana passada, a fazer uma interpretação restrita e rigorosa da lei criada em 2015, pelo então governo do PSD/CDS. No entender da CNE, os Executivos, nacional ou camarários, não podem fazer publicidade institucional “de atos, programas, obras ou serviços” a partir do momento em que é publicado o decreto de lei a marcar a data das eleições, sendo que a lei é válida para qualquer tipo de eleições, sejam autárquicas, legislativas ou europeias — o decreto-lei que definiu a data das eleições europeias foi publicado a 26 de fevereiro. Segundo a mesma lei, que prevê multas elevadas para os incumpridores, a gestão corrente, eventos e prestação de serviços aos cidadãos podem ser publicitados “desde que não sejam adjetivados”.

Nos últimos dias, várias foram as denúncias anónimas que foram surgindo, a visar sobretudo autarcas. Eduardo Vítor Rodrigues (PS), da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, contestou esta semana um processo aberto pela CNE por alegada violação do artigo 10º a respeito da publicitação institucional de obras ou serviços. Ao JN, o autarca diz que a queixa “não tem fundamento” e que há um risco de queixas como estas se multiplicarem diariamente em todos os municípios. Fernando Medina, presidente da câmara de Lisboa, acrescenta ao mesmo jornal que a lei deve ser corrigida para não suscitar este tipo de interpretações consideradas rígidas: “Acham que não temos maioridade democrática?”. O presidente da câmara de Cascais, Carlos Carreiras, do PSD, também contesta a lei: “Isto é uma lei do PSD e do CDS, mas é completamente errada. Para isso, mais vale fechar portas” num ano eleitoral que vai ser longo, entre europeias em maio e legislativas em outubro.

Governo não vai seguir à risca

Para o primeiro-ministro, a lei é para cumprir mas tal não significa seguir ao milímetro a interpretação que a CNE faz da lei. “O Governo cumpre a Lei 72-A aprovada pela Assembleia da República em 2015 e toma boa nota da interpretação da CNE enquanto organismo competente na matéria”, disse fonte oficial do gabinete do primeiro-ministro ao Jornal de Negócios, no mesmo dia em que António Costa inaugurou um novo centro de saúde em Odivelas, Lisboa.

Para esta terça-feira, inclusive, está previsto que o primeiro-ministro esteja presente na inauguração do Centro de Saúde António Arnaut, no Cadaval. Ou seja, o Governo “toma nota”, mas não vai mudar a forma de atuação porque a interpretação que faz da lei eleitoral não é igual à que faz a CNE — que tem por base acórdãos do Tribunal Constitucional.

Resposta semelhante dá a câmara do Porto: “A CNE não proíbe, a CNE interpreta e aplica a lei e é perante a Lei que a Câmara do Porto enquadra a sua atividade”, disse fonte do executivo camarário ao Jornal de Negócios.

Já o PSD aplaude a interpretação da lei, embora alguns autarcas sociais-democratas estejam contra. “É preferível uma interpretação mais rigorosa, restritiva e literal do que deixarmos isso ao critérios dos agentes [entidades públicas]”, disse o deputado Carlos Peixoto ao Jornal de Negócios. Também o CDS é “completamente favorável” a esse entendimento: “Já devia ser entendido deste modo por parte de todas as entidades públicas noutras eleições”, diz Pedro Mota Soares, sublinhando que esta é a única forma de “todos os partidos partirem para as eleições em igualdade de circunstâncias”.

Já o BE e o PCP são dúbios na interpretação da lei: “A aplicação da lei deve procurar o equilíbrio entre o dever de neutralidade exigido a poderes e instituições públicas e o dever de informação que se revele indispensável decorrente da atividade regular dessas entidades, designadamente das autarquias locais, que não pode ser posto em causa”, disse o PCP, partido com grande presença autárquica, numa nota enviada ao Negócios. O BE, que não lidera nenhuma câmara, “acompanha” a posição da CNE, mas sem “euforias”.

Municípios consideram inadmissível a posição tomada pela CNE

A Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP) considerou esta terça-feira que a interpretação que a Comissão Nacional de Eleições (CNE) faz da legislação sobre publicidade institucional limita o exercício das competências das autarquias. “A ANMP considera inadmissível a forma como se desvirtua a lei, ao fazerem feitas considerações como as que constam na nota informativa da CNE“, afirmou Manuel Machado, presidente da associação que representa os municípios portugueses.

Manuel Machado indicou que a associação vai transmitir esta posição política, aprovada esta terça-feira por unanimidade pelo conselho diretivo, ao Presidente da República, ao primeiro-ministro, à procuradora-geral da República e à provedora de Justiça. Além disto, o presidente da ANMP disse que a associação irá também solicitar audiências “com caráter de urgência” ao Presidente da República, ao presidente da Assembleia da República e ao presidente da Comissão Nacional de Eleições.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)