É o segundo revés para André Ventura, que depois de ter visto o Tribunal Constitucional rejeitar assinaturas para a legalização do Chega como um partido político, vê agora o seu nome rejeitado na lista das Europeias da coligação que pretendia formar com o PPM, o Partido Cidadania e Democracia Cristã e o movimento Democracia 21. Os monárquicos rejeitaram a integração do nome de Ventura na lista e foi desmarcada à última hora a conferência de imprensa que estava agendada para esta tarde para a apresentação da coligação e da respetiva lista de candidatos às Europeias.

“O que ia ser anunciado eram os candidatos da coligação e agora voltámos à estaca zero”, diz ao Observador André Ventura que confessa que recebeu a notícia da rejeição do seu nome nas listas com “perplexidade”  — foi uma decisão aprovada numa reunião do Conselho Nacional do PPM esta quarta-feira. Ventura garante: “O meu nome era uma parte importante desta coligação e uma rejeição do meu nome é uma rejeição do Chega e isso é inadmissível”.

A decisão do Conselho Nacional do PPM não falava, no entanto, na rejeição de uma coligação onde esteja integrado o Chega — que André Ventura garantiu que daria mesmo o nome à coligação. No comunicado do partido divulgado na noite de quarta-feira constava apenas a informação do veto ao nome de André Ventura. “O Conselho Nacional não aprovou a integração de André Ventura nas listas do partido às Europeias”, segundo o texto do comunicado. Não havia qualquer referência à existência da coligação.

Antes do Conselho Nacional, a vice-presidente do PPM dava conta da “profunda tristeza e consternação” por ter sabido “através de notícias publicadas nas últimas semanas e em particular hoje na comunicação social, da formação de uma coligação entre o PPM – Partido Popular Monárquico e o movimento CHEGA, liderado por André Ventura, com vista às eleições europeias do próximo dia 26 de Maio”.

Aline Hall de Beuvink explicou, através de um comunicado, que este assunto nunca tinha sido discutido no seu partido e ainda apontou diretamente ao movimento de Ventura, sublinhando que o “PPM tem um historial longo de participação ativa na sociedade portuguesa através de uma postura humanista materializada na defesa de temas como o ambiente e salvaguarda do património cultural, humanitário e histórico, valores estes que não se coadunam com os princípios manifestados publicamente pelo movimento Chega”.

Na reunião de ontem, o líder do partido, Gonçalo da Câmara Pereira, terá garantido aos membros do Conselho Nacional que nada estava fechado com o Chega, mas ao Observador André Ventura explica que teve “negociações com dirigentes do PPM e o que estava assegurado era que o Chega entraria na coligação”. Apesar do revés, Ventura diz que vai “lutar pela coligação até ao fim” e admite manter a participação do Chega mesmo que o seu nome não vá na lista.

Recorde-se que enquanto não for aprovado como partido — e o processo está agora parado no Tribunal Constitucional tendo em conta algumas irregularidade detetadas nas assinaturas entregues –, o Chega não pode concorrer às Europeias, a menos que o faça integrado numa coligação com outro partido, enquanto movimento.