Rádio Observador

Caso Maddie

Nextflix divulga trailer do documentário sobre Maddie McCann

237

O documentário que a Netflix lança esta sexta aponta para a teoria de que Maddie, a criança inglesa que desapareceu no Algarve, está viva depois de ter sido raptada por traficantes. Veja o trailer.

Maddie McCann desapareceu na Praia da Luz em 2007, com 3 anos de idade

HO/EPA

O documentário “O Desaparecimento de Madeleine McCann” vai estrear esta sexta-feira na plataforma Netflix e aponta para a teoria de que a criança desaparecida no Algarve há quase 12 anos está viva depois de ter sido raptada por um grupo ligado ao tráfico de pessoas. O trailer oficial foi divulgado esta quinta-feira e aborda “o caso mais famoso do mundo de uma criança desaparecida”, com a análise ao detalhe de todos os suspeitos, de todas as teorias e do trabalho das autoridades.

Vários dos depoimentos recolhidos para o documentário apontam para a teoria de que a criança, na altura com 3 anos de idade, terá sido raptada e sequestrada por um gangue de tráfico humano e levada para o estrangeiro, mas que poderá ainda estar viva. “O valor que a Madeleine tinha era muito alto”, ouve-se no trailer. O documentário deixa ainda várias mensagens de esperança, com as autoridades a acreditarem que o caso pode ter solução.

Segundo avança o The Sun, Jim Gamble, um polícia especialista em proteção de crianças e que esteve envolvido na primeira investigação do caso, acredita que 12 anos depois do desaparecimento de Maddie, o mistério ainda pode ser resolvido. Jim Gamble é um dos 40 especialistas e figuras-chave que participam neste documentário, que não contou com a colaboração dos pais da criança.

Jim Gamble diz que “há que ter esperança nos avanços da tecnologia. Ano após ano, o ADN está a melhorar. Ano após ano, novas técnicas, incluindo reconhecimento facial, estão a ver progressos”, acrescentando que “é possível que esta tecnologia nos ajude a encaixar algumas peças” deste processo que paralisou o país em 2007.

A par disso, o documentário diz ainda que a menina pode ter sido mantida viva devido “ao valor financeiro enquanto britânica de classe média“, sendo assim considerada uma boa moeda de troca por parte dos traficantes. Surge ainda a abordagem à relação da polícia com a imprensa e ainda como um dos suspeitos diz ter sido incriminado para ser obrigado a confessar um crime que diz não ter cometido.

O filme terá custado 23 milhões de euros e inclui entrevistas, entre outros, ao inspetor Gonçalo Amaral, que chegou a publicar um livro sobre o caso, onde apontava suspeitas sobre os pais da criança — Gerry e Kate McCann. Ainda não se sabe se o documentário vai ser disponibilizado no serviço português da plataforma de streaming.

Maddie McCann desapareceu a 3 de maio de 2007 na Praia, no Algarve e até hoje permanece o mistério sobre o caso, existindo várias teses que variam entre o rapto e o homicídio da criança e que deixam também dúvidas sobre a negligência ou o envolvimento dos pais neste caso.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)