Rádio Observador

Matemática

Mulher vence pela primeira vez o Prémio Abel, um dos “Nobel” da matemática

3.594

Karen Uhlenbeck dedica-se a uma matemática tão complexa que mexe com conceitos de quase toda a ciência. Ganhou um dos "Nobel" da matemática: tornou-se na primeira mulher a receber o Prémio Abel.

Karen Keskulla Uhlenbeck foi escolhida pela Academia Norueguesa de Literatura e Ciências

Abel Prize

Uma mulher recebeu pela primeira vez o Prémio Abel, um importante prémio da Matemática que rivaliza com o Medalhas Fields pelo título equivalente ao Nobel desta área científica. A norte-americana Karen Keskulla Uhlenbeck foi escolhida pela Academia Norueguesa de Literatura e Ciências pelas suas “conquistas pioneiras nas equações diferenciais, na Teoria de Gauge e sistemas integráveis; e pelo impacto fundamental do seu trabalho na análise, na geometria e na física matemática”.

Karen Uhlenbeck trabalha em matérias muito sofisticados que “mexem com quase toda a matemática ao nosso dispor”, resume o matemático português Jorge Buescu em conversa com o Observador. As equações diferenciais, por exemplo, são as que descrevem a evolução de todos os sistemas com o tempo, como por exemplo as Leis de Newton e todas as outras leis que explicam o funcionamento do Universo. Esta cientista norte-americana é líder do estudo desta área e dedicou toda a vida a ela com “muita energia”, recorda Jorge Buescu quando a viu em Londres numa conferência.

Para Jorge Buescu, este reconhecimento é “um sinal importante à comunidade” de que “os movimentos de mulheres na matemática estão a ganhar força”: “Há um grande desequilíbrio na comunidade matemática que tem de ser corrigido”, acrescenta o matemático, que sublinha que, em termos globais, há muito mais homens na área da matemática do que mulheres. Foi em busca de mais igualdade de género dentro desta ciência que organizações como a Sociedade Europeia de Matemática ou a Unidade Matemática Europeia criaram grupos para promover a discriminação positiva. E é também em prol dessa igualdade que nasceu a Associação para as Mulheres na Matemática.

Mas Portugal é uma pérola no meio desse desequilíbrio: a percentagem de homens e a percentagem de mulheres que se dedica ao estudo da matemática está muito próximo, conta Jorge Buescu. O motivo, especula o matemático, pode estar na forma como a sociedade funcionava “há 40 ou 50 anos”: “A nossa sociedade era muito atrasada. Se as mulheres quisessem escolher trabalhar numa área da ciência havia um refúgio natural em áreas mais teóricas, como a matemática, do que por exemplo nas engenharias de minas”. Era assim porque o sexo feminino tendia a dedicar-se mais do que os homens à vida familiar e, portanto, as mulheres não estavam tão disponíveis para passar temporadas fora de casa como outras áreas da ciência exigiam.

Ainda assim, há muito trabalho por fazer. E por isso é que, ainda este verão, a Fundação para a Ciência e a Tecnologia vai receber um encontro entre mulheres da matemática promovido pela Universidade Nova de Lisboa. O evento chegará poucos meses depois de, a 8 de março, a Agência Ciência Viva ter lançado o livro “Mulheres na Ciência 2019”. Nessa obra recorda-se que 45% de todos os investigadores em Portugal são do sexo feminino.

Afinal, qual é o Nobel da Matemática?

Os Prémios Nobel, que são entregues pela Academia Real das Ciências da Suécia, não incluem nenhum galardão reservado à Matemática. Diz-se que é assim porque, quando os prémios foram criados, o melhor Matemático da Suécia à época estaria envolvido com a mulher de Alfred Nobel. Verdade ou não, certo é que os matemáticos tentaram criar outros prémios. E o primeiro a nascer com o Medalha Fields, em 1930.

A primeira vez que uma mulher venceu o Medalha Fields foi em 2014. Chamava-se Maryam Mirzakhani, era iraniana e trabalhava na Universidade de Stanford. Esse prémio foi criado para preencher a lacuna aberta pelos Prémios Nobel, mas tem uma diferença fundamental a este último: não é um prémio de consideração de carreira. Só é entregue a quem tenha um limite de 40 anos e esteja no início de uma carreira promissora, explicou Jorge Buescu.

Ainda assim, o Medalha Fields não era o “Prémio Nobel ideal”, conta o matemático: como só era entregue de quatro em quatro anos, havia situações em que muitos matemáticos chegavam à cerimónia no limite dos 40 anos. Era o “agora ou nunca”. E sendo assim, muitos cientistas promissores construíam uma carreira notável sem qualquer galardão que a pudesse carimbar. Foi por isso que, em 2003, foi criado o Prémio Abel, entregue esta terça-feira a Karen Uhlenbeck .

Ora, o Prémio Abel é muito mais parecido ao Nobel, considera Jorge Buescu. E não só pelo nome semelhante, que homenageia um grande matemático norueguês do início do século XIX. Em primeiro lugar, o valor do prémio é próximo: o Nobel dá oito milhões de coroas suecas (mais de 765 mil euros) enquanto o Abel dá seis milhões de coroas norueguesas (cerca de 620 mil euros). Em segundo lugar, o facto de ambos serem organizados por países escandinavos — o Nobel pela Suécia e o Abel pela vizinha Noruega. E em terceiro, e provavelmente mais importante, o facto de os dois serem um prémio de reconhecimento de carreira entregue anualmente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Educação

Índices: orgulho e preconceito

João Araújo
129

Erradicar os índices seria levar a humanidade para a idade da pedra. Em algumas áreas (como na Educação) eles estão sob fogo cerrado, como sucede a tudo que exponha os seus embustes e maus resultados.

Floresta

As lições que continuamos a não querer aprender

António Cláudio Heitor
192

É mais fácil culpar o desleixo, a mão criminosa e a falta de gestão dos proprietários, do que assumir o erro de centrar as questões no combate. A raiz do problema está na desertificação do mundo rural

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)