Rádio Observador

Estados Unidos da América

EUA. Estiveram presos durante 43 anos, mas eram inocentes. Foram libertados esta semana

26.317

Tio e sobrinho tinham 34 e 18 anos quando foram presos por um homicídio na Florida, nos EUA. Agora têm 76 e 61. Eram inocentes, foram condenados sem provas e só agora foram libertados.

Hubert Nathan Myers, à esquerda, acompanhado pelo tio, Clifford Williams Jr., numa conferência de imprensa

O ano era o de 1976. A cidade: Jacksonville, no Estado da Florida, nos EUA. Ouviram-se tiros num apartamento ao lado do local onde Hubert Nathan Myers, com 18 anos, e o tio, Clifford Williams Jr., com 34, estavam numa festa de anos. Uma mulher morreu, outra sobreviveu e garantiu às autoridades que aqueles dois homens dispararam junto à cama que partilhava com a vítima mortal. Mas não foi bem assim. 42 anos depois, estamos em 2019. Hubert e Clifford foram agora libertados porque a Justiça americana enganou-se.

Estou nervoso porque ainda me sinto preso. Quando estiver com a minha família posso olhar para trás… e quando a realidade me atingir, penso que vai ficar tudo bem”, disse Hubert quando viu declarada a sua inocência. Tinha 18 anos quando foi preso, agora tem 61.

A história é contada pela ABC. Apesar de o relato de Nina Marshall, que escapou ilesa do crime e morreu em 2011, colocar os dois homens no local do crime, várias testemunhas afirmaram que o tio e o sobrinho estavam na festa à hora do homicídio. Nenhuma destas dezenas de pessoas foi sequer ouvida no julgamento que durou apenas dois dias. Só à segunda tentativa o júri conseguiu chegar a um veredicto, por discrepâncias nas provas, decidindo, ainda assim, pela condenação.

[Clifford Williams Jr. beija o chão depois de ter sido libertado]

A análise ao local do crime mostrou, na altura, que todos os tiros foram disparados de fora do apartamento, ao contrário do que dizia a vítima — havia buracos de balas nas janelas e cortinas –, e através da mesma arma. Contudo, não valeu de nada: o tio e o sobrinho foram condenados a pena perpétua por homicídio e tentativa de homicídio.

Durante o julgamento, e ao longo dos 43 anos em que estiveram presos, os dois homens que perderam décadas de vida na cadeia, alegaram sempre a sua inocência. Chegou a haver um homem que, por remorsos, assumiu a responsabilidade do homicídio. Morreu em 1994 e este testemunho nunca chegou ao júri que decidiu o destino de Hubert e Clifford.

Os dois homens tentaram, por várias vezes, pedir recurso da decisão, mas foi-lhes sempre negado. Apenas em 2017 tiveram uma oportunidade de justiça. Nesse ano, o Ministério Público do estado da Florida, através do procurador estadual, criou uma equipa para rever casos julgados.

Perdi quase 43 anos da minha vida que nunca mais vou voltar a ter, mas olho para a frente e vou focar-me em aproveitar a minha liberdade com a minha família”, disse Hubert num comunicado.

O sobrinho e o tio requereram logo a esse novo departamento que revisse o caso que os pôs décadas na prisão. Hubert tinha lido no jornal sobre a criação desta nova equipa e escreveu uma carta a contar a história dos dois. No final, o relatório de 77 páginas mostrou que estavam inocentes e foram julgados injustamente.

Todas as acusações e penas foram retiradas. “Quando temos uma hipótese de corrigir erros, devemos fazê-lo”, disse a procuradora estadual Melissa Nelson. Agora, podem receber uma compensação até 2 milhões de dólares (cerca de 1,78 milhões de euros). Contudo, apenas Hubert pode ter direito a esta indemnização. As leis do estado da Florida não concedem nenhum montante a quem tenha sido condenado mais do que uma vez por algum delito. Foi o caso de Clifford, que antes de 1976, já tinha registo em dois casos.

Hubert tem agora 61 anos. O tio tem 76.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)