A Porto Editora vai publicar a novela gráfica, a primeira finalista do Man Booker Prize, Sabrina, de Nick Drnaso. Pela Sextante vai sair um novo livro de contos de Ruben Fonseca, Carne Crua, e ainda Coração, de Edmondo de Amicis. A Alfaguara vai editar Beijo Feroz, de Roberto Saviano, e a Assírio & Alvim Giz Preto, o primeiro livro de poesia de Gonçalo Fernandes.

A Quetzal vai editar Devoção, de Patti Smith, Hotel Silêncio, de Audur Ava Ólafsdóttir, A Única História, de Julian Barnes, e dois novos volumes da nova coleção “Terra Incógnita”: Yoga Para Pessoas Que Não Estão a Fazer Yoga, de Geoff Dyer, e Banhos de Caldas e Águas Minerais, de Ramalho Ortigão. Pela Dom Quixote vai sair Eu Sou a Minha Poesia, uma seleção de poesia de Maria Teresa Horta feita pela própria autora, e uma nova edição de Alma, de Manuel Alegre.

Em abril, a Relógio d’Água vai editar As Pessoas Felizes, de Agustina Bessa-Luís (com prefácio de António Barreto), À Beira Do Mar De Junho, de João Miguel Fernandes Jorge, Pintado com o Pé, de Djaimilia Pereira de Almeida, e Kudos, de Rachel Cusk. A E-Primatur vai publicar Ficção Completa, de Voltaire, e Os Mil e Um Fantasmas, de Alexandre Dumas, no âmbito da coleção “Livro B”.

A Elsinore vai editar Kentukis, o novo romance de Samanta Schweblin, que a editora descreve como sendo “uma da vozes mais originais da literatura contemporânea de língua espanhola”. “Kentukis revela o preço a pagar pela nossa complexa e constante relação com a tecnologia, repensando a nossa noção de voyeurismo e expondo o leitor aos limites do preconceito, do desejo e das boas intenções”, descreve a Elsinore. Schweblin está nomeada para o Man Booker Prize International deste ano.

Pela mesma editora vai também sair Lanny, de Max Porter, autor de O Luto é uma Coisa Com Penas, também editado em Portugal pela Elsinore. A Cavalo de Ferro vai publicar Zama, de Antoniodi Benedetti, As Moscas de Outono, de Irène Némirovsky, e O Herói das Mulheres, de Adolfo Bioy Casares.

A Bertrand vai editar Samitério de Animais, de Stephen King. Já a Saída de Emergência vai publicar O Destino do Assassino, de Robin Hobb, e Capustan, de Steven Erikson. Máquinas Como Eu e Pessoas Como Vocês (título ainda por confirmar), de Ian McEwan, vai sair pela Gradiva, enquanto Filho da Mãe, de Hugo Gonçalves, terá chancela da Companhia das Letras.


A Temas e Debates vai publicar Depois da Queda, de Viriato Soromenho-Marques, A Idade das Descobertas, de Ian Goldin e Chris Kutarna, e Eu Sou Dinamite!, a biografia de Friedrich Nietzche escrita por Sue Prideaux. A Quetzal vai lançar 1000 Frases de Camilo Castelo Branco, com organização de Luís Naves. Pela Desassossego vai sair As cinco grandes revoluções da história de Portugal, de André Canhoto Costa.

A Porto Editora vai lançar O que ouvi na barrica das maçãs, as melhores crónicas de Mário de Carvalho, reunidas pela primeira vez em livro, e Jesus, uma biografia do escritor e jornalista brasileiro Rodrigo Alvarez. Pela mesma editora vai sair De Noite sonho com a Paz, de Carry Ulreich, uma sobrevivente do Holocausto que passou três anos da sua adolescência escondida numa casa em Roterdão. O diário que manteve durante esse período foi publicado quando tinha quase 90 anos.

A Livros do Brasil vai editar Correspondente de guerra, um livro que reúne textos de John Steinbeck escritos em 1943 a partir de diferentes campos de batalha da Segunda Guerra Mundial, e Santos e Pecadores, de Graham Greene (seleção e prefácio de Pedro Mexia). Já a Assírio & Alvum vai publicar As passagens de Paris, de Walter Benjamin.

A Casa das Letras vai publicar Uma viagem pelo mundo da cerveja artesanal, de Domingos Quaresma. A Caminho vai editar a reportagem fotográfica A Crise Académica de 1969, com organização e edição de José Veloso, e a Dom Quixote a biografia São Paulo, de Nicholas T. Wright. Pela Casa das Letras vai sair Revolução! Das Internacionais às Ditaduras Militares: Portugal e Espanha (1864-1926), de José Luis Andrade.

A Minotauro vai editar 21 dias de luta, de Urbano Tavares Rodrigues, e as Edições 70 A Arte como Ofício, de Bruno Munari. Pela Gradiva vai sair As Fronteiras da Razão. Um Céptico Racional num Mundo Irracional, de Julian Baggini. A Cavalo de Ferro vai publicar A Minha Intenção, uma seleção de ensaios de Czeslaw Milosz, e a Vogais Quanto Pesam as Nuvens, de David Calle.

Este mês, a Relógio d’Água vai fazer chegar às livrarias Movimento das Ideias, breves ensaios de José Gil, Pensamentos, de Blaise Pascal (com introdução de T. S. Eliot) e Ensaios Escolhidos, de T. S. Eliot. A Tinta-da-China vai publicar Salazar e os Fascismos, de Fernando Rosa, 25 de Abril, 45 Anos, do fotógrafo Alfredo Cunha, e Prisioneiros de Guerras, um volume coordenado por Pedro Aires Oliveira.

A Bookbuilders vai publicar Vultos e Perfis, de Gonçalo Sampaio e Mello, e Da Prática e da Contradição, de Mao Tsé-tung (com introdução de Slavoj Zizek). O primeiro trata-se de “um extenso estudo bio-bibliográfico sobre cinco nomes esquecidos mas fundamentais da cultura portuguesa entre o século XIX e o Século XX: Luís de Almeida Braga, Alexandre de Albuquerque, João Ameal, Afonso Botelho e Guilherme Braga da Cruz”, de acordo com a editora.


A Fábula vai publicar Eu e o Meu Medo, de Francesca Sanna, e O Filme da Minha Vida, de Maite Carranza. O primeiro volume de O Diário de um Banana vai ter uma edição especial, “imperdível e deliciosamente fedorenta”, para comemorar os seus dez anos em Portugal. Sai neste mês de abril pela Booksmile, que vai ainda publicar A Menina Furacão e o Menino Esponja, de Ilan Brenman.

Pela Caminho vai sair O Aquário, de João Pedro Mésseder e Célia Fernandes, e pela ASA O Sonho de Mariana, de António Mota e Danuta Wojciechowska, e Vamos Curar a Terra, de Julian Lennon, Bart Davis e Smiljana Coh.

Eleição dos Bichos, de André Rodrigues, Larissa Ribeiro, Paula Desgualdo e Pedro Markun, vai sair pela Nuvem de Letras. A Alfaguara vai publicar Orlando e o Tambor Mágico, o segundo volume da coleção infantil de Alexandra Lucas Coelho.