Assalto em Tancos

Inspetor da PJM confirma ordem para não se fazeram rondas na noite do furto em Tancos

136

Na noite do assalto aos paióis de Tancos, os militares tiveram ordem para não se fazerem rondas naquele dia, admitiu esta terça-feira o primeiro inspetor da PJ militar a deslocar-se ao local do furto.

Primeiro inspetor da PJ militar a deslocar-se aos paióis de Tancos na noite do assalto admite agora ter havido cumplicidade interna

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

João Bengalinha, o primeiro inspetor da Polícia Judiciária Militar a deslocar-se aos paióis de Tancos após o furto, em junho de 2017, admitiu esta terça-feira ter havido cumplicidade interna e até uma ordem para não se fazerem rondas naquele dia.

Ouvido numa audição, na comissão parlamentar de inquérito ao furto de Tancos, o inspetor da PJM afirmou que, antes de se afastar do caso, em setembro de 2017, a sua investigação tinha já tirado algumas conclusões.

“O que apuramos foi que algumas rondas não tinham sido feitas e que houve uma tentativa de esconder [da PJM] as ordens que tinham sido dadas para [as rondas] não se fazerem”, afirmou o capitão Bengalinha em resposta ao deputado do PS Ricardo Bexiga.

Quem o fez foi “o responsável pelas rondas” naquele dia, disse o inspetor da Judiciária Militar, não identificando o responsável.

O inspetor da PJM admitiu, também, a tese da cumplicidade no furto: “Com certeza, na minha perspetiva, na minha intuição e experiência enquanto investigador, diria que sim.”

João Bengalinha pediu, contudo, para não responder quando o deputado do PCP Jorge Machado o indagou sobre a tese da encenação e dos alegados informadores e lhe perguntou se era normal que quem “dá este tipo de informação passe a arguido ou vá livre como um passarinho”.

“Agradecia não responder a essa pergunta”, afirmou, embora admitindo que não lhe parecia “muito normal que assim seja”.

A uma pergunta acerca do autor de um parecer jurídico, pedido pelo Governo, sobre o confito de competências entre as duas judiciárias, civil e militar, o inspetor só respondeu à porta fechada, depois de se ter inicialmente recusado a fazê-lo.

O furto de material de guerra foi divulgado pelo Exército em 29 de junho de 2017. Quatro meses depois, a PJM revelou o aparecimento do material furtado, na região da Chamusca, a 20 quilómetros de Tancos, em colaboração de elementos do núcleo de investigação criminal da GNR de Loulé.

Entre o material furtado estavam granadas, incluindo antitanque, explosivos de plástico e uma grande quantidade de munições.

A comissão de inquérito para apurar as responsabilidades políticas no furto de material militar em Tancos, pedida pelo CDS-PP, vai decorrer até junho de 2019, depois de o parlamento prolongar os trabalhos por mais 90 dias.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)