O líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, pediu a demissão do secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, por ter nomeado como seu adjunto um primo, Armando dos Santos Alves. “A responsabilidade política não é do primo, é de quem o nomeou, que foi o secretário de Estado. Ele é que tem essa responsabilidade porque desafiou o primo. O primo limitou-se a aceitar”, sublinhou o social-democrata em declarações à RTP.

Também a líder do CDS-PP, Assunção Cristas, pediu a demissão de Carlos Martins: “Hoje [quinta-feira, 4 de abril] à tarde há debate quinzenal. Era bom se já não tivéssemos este secretário de Estado no Governo à tarde“. Em declarações na feira educacional Futurália, transmitidas pela RTP 3, Assunção Cristas pediu ainda “uma reflexão muito profunda” ao Executivo por “uma sequência de casos” a que assistiu “com perplexidade”.

O caso também incomodou a secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, que vê a nomeação de Armindo dos Santos Alves pelo primo, em novembro de 2018, como “profundamente errada e inadequada“. Por isso mesmo, a demissão do adjunto de gabinete do secretário de Carlos Martins, foi “evidente, óbvia e normal”, como afirmou no espaço de comentário semanal em que participa na SIC Notícias.

Já o líder do PSD, Rui Rio, não considera que a demissão de Armindo dos Santos Alves não basta para resolver o problema das relações familiares no Executivo de António Costa: “Não é por se demitir um, ou dois ou três que altera o que quer que seja“, afirmou na quarta-feira ao fim da tarde durante uma visita à feira de emprego e educação Futurália, citado pela TSF.

“Penso que isto ultrapassou os limites, os portugueses já perceberam que ultrapassou os limites”, acrescentou, sublinhando que só agora tem noção da escala do caso: “Não tinha noção que, por trás disto, estavam coisas bem mais graves, todo o aparelho de Estado enxameado de familiares de governantes e de pessoas bem posicionadas no Partido Socialista“.

“O problema dos familiares no Governo e nas estruturas superiores da administração pública quase que se generalizou”, acrescentou Fernando Negrão na RTP 3, continuando: “Tendo-se generalizado, a pergunta que fica é: Acabaram os jobs for the boys? Acabaram os lugares para os amigos, e agora temos empregos para familiares?

Para Ana Catarina Mendes, as críticas do PSD não passam de uma “campanha de telenovela”. A deputada socialista diz que os ataques repetidos da direita sobre o caso revelam que “não há projeto nem ideia política para o país”, servindo para distrair da campanha para as Eleições Europeias, em maio: “É Paulo Rangel [cabeça de lista do PSD para as Europeias] quem levanta esta questão, talvez para se ignorar que é dos eurodeputados que menos produz no Parlamento Europeu.

Ministro do Ambiente segura secretário de Estado que nomeou o primo

Armindo dos Santos Alves apresentou a sua demissão depois de o Observador confrontar o Ministério do Ambiente com a relação familiar entre o adjunto e Carlos Martins, que o nomeara. O Ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, disse não saber que os dois eram primos.

A nomeação de Armindo dos Santos Alves por Carlos Martins cruzou a linha vermelha traçada pelo primeiro-ministro, António Costa, em entrevista à TSF e ao Dinheiro Vivo: Só existiria “uma questão ética se alguém nomeasse um familiar seu”. Quando tal aconteceu, o ministério escolheu demitir quem recebeu a nomeação (Armindo dos Santos Alves) e não quem a fez (Carlos Martins).